Jump to Navigation

Blogues

  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRST/-2.0/DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRST/-2.0/DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRST/-2.0/DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRST/-2.0/DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRST/-2.0/DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRST/-2.0/DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRST/-2.0/DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRST/-2.0/DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRST/-2.0/DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRST/-2.0/DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRST/-2.0/DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRST/-2.0/DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRST/-2.0/DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRST/-2.0/DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRST/-2.0/DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRST/-2.0/DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRST/-2.0/DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRST/-2.0/DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRST/-2.0/DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRST/-2.0/DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRST/-2.0/DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRST/-2.0/DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRST/-2.0/DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRST/-2.0/DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRST/-2.0/DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRST/-2.0/DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRST/-2.0/DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRST/-2.0/DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRST/-2.0/DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRST/-2.0/DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRST/-2.0/DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRST/-2.0/DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRST/-2.0/DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRST/-2.0/DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRST/-2.0/DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRST/-2.0/DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRST/-2.0/DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRST/-2.0/DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRST/-2.0/DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRST/-2.0/DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.

<span class="userContent" data-ft="

Dalton Martins - dom, 28/09/2014 - 21:51
O querer

Da angústia, já não mais procuro fuga
Procuro por onde os dedos possam tocar
E desenhar entradas ao convite do silêncio
Aguardando cessarem mundos sem fim.

E cessam versões de uma história
E seus seguidores, assim silenciados,
Já não mais disputam o sentido da verdade
E então começam a ouvir estranhos rumores,

Sons desconhecidos e cores inventadas sem memória.
Procuram pela terra a origem dos tremores
Vasculham no céu o caminho dos ventos
Mas nada encontram que lhes forneça uma pista sequer.

Desorientados, dançam,
E dançando inventam caminhos,
Produzem palavras e tecem o novo mito
Um novo ritmo a seguir dissipado na multidão dos valores comuns.

Mas, há os que se negam a seguir,
E há os que, desorientados, se negam a dançar
Insistem e permanecem ali, diante do silêncio
Instalados na abertura, de frente ao nada.

Senhores do tempo, amedrontados e resistentes,
Aguardam surgirem traços de sinais
O pulso invariável do momento seguinte
Onde assim, despidos, finalmente se encontram com seu próprio querer.
Categorias: Blogues

Nudez

Dalton Martins - dom, 21/09/2014 - 12:47
De um momento para o outro, um estaloParado, me deito, quieto, atento ao som que pulsaE começo a me despir das cores e vozes do mundo.
As impressões são mais fáceisLeves tremores da epiderme bastam, trepidam e se vão.
Preconceitos são resistentes, se escondem pelas juntasE se rebocam pelos fluídos da respiração noturnaJá dão mais trabalho e demandam raspagem cutâneaFeito talhadeira atenta aos detalhes de cada batida.
O pior são as verdadesImutáveis estruturas ósseasSustentam a carne que se moveE me lembram da existência a cada traço de cotidiano.
Demandam outra forma de nudezDaquela que trança os sentidosRecriando formas, passagens e os meiosDissolvidas pela angústia...
… de escutar as próprias palavras nascidas do silêncio.
Categorias: Blogues

Fabricação, conserto e "porque dá"

efeefe -- metareciclagem - sex, 19/09/2014 - 20:28
Este post foi agregado por RSS. Link original:
---

Raquel Rennó mandou pela rede social do capeta um bom artigo no Medium com o título "Yes we can. But should we?", que levanta uma visão um pouco mais crítica pra toda a coisa da "cultura maker". Traduzindo livremente um trecho:

Parece haver uma confusão conceitual sobre o que a impressão 3D possibilita ou não. Ela nos permite encantar uma criança de quatro anos criando praticamente do nada um mini Darth Vader? Sim, permite. Mas o objeto não se materializa do nada. Uma impressora 3D consome de cinquenta a cem vezes mais energia elétrica para fazer um objeto do que o processo de injeção de plástico moldado. Além disso, as emissões de uma impressora 3D de mesa são similares a queimar um cigarro ou cozinhar em um fogão a gás ou elétrico. E o material escolhido para todas essas novas coisas que estamos clamando por fazer é esmagadoramente o plástico. De certo modo, é um deslocamento ambiental para o lado inverso, contrapondo-se a leis recentes para reduzir o uso de plástico que banem sacolas plásticas e estimulam a reformulação de embalagens. Ao mesmo tempo em que mais pessoas levam sacolas de tecido para o supermercado, o plástico se acumula em outros campos, da Techshop à Target.

De fato, a moda corrente da tal "cultura maker" exibe algumas características dignas de questionamento. Uma delas é justamente essa orientação ao "make", que cristaliza com vocabulário o hábito de "fazer" coisas, mas é usualmente interpretado simplesmente como "fabricar novas coisas". Não que a cultura maker tenha sido assim desde o início. Ainda acho que existia um romantismo nos primeiros tempos (bem capturado no Makers de Cory Doctorow), em que a ênfase vinha de fazer as coisas com as mãos, experimentar, desviar usos, aproveitar ao máximo os recursos à volta. Um espírito que por esses lados a gente aproxima da gambiarra (aqui um monte de posts e links sobre "gambiologia", que também é o nome do coletivo mineiro).

Mas daquilo que inicialmente surgia como postura crítica ao consumismo exacerbado, a assim chamada cultura maker hoje parece ter virado somente mais um produtinho na grande prateleira das ideias prontas para vender no capitalismo hiperconectado. Aí um monte de gente com seus Macbooks se junta para comprar Makerbots e ficar brincando de inventar o novo produto que vai estourar nos mercados. E no meio do caminho jogam fora um monte de plástico derretido para prototipar o melhor suporte de ipad do mundo.

Nem vou falar de novo sobre o desperdício de oportunidades quando os talentos voltam-se somente ao mercado. Já falei isso em 2011, e não vi muita coisa mudar desde então:

Hoje em dia, jovens de cidades pequenas que têm potencial precisam migrar para grandes centros em busca de oportunidades. É raro que voltem, o que leva a uma espécie de êxodo criativo. Mesmo aqueles que chegam às cidades grandes também precisam fazer uma escolha difícil: podem vender seu talento criativo ao mercado - por vezes de maneira equilibrada, mas em muitos casos limitando-se a ajudar quem tem dinheiro a ganhar mais dinheiro; ou então trocar seu futuro por capital especulativo. Podem também tentar usar suas habilidades para ajudar a sociedade - mas para isso precisam conviver com precariedade e instabilidade. Essa é uma condição insustentável para um país que tanto precisa de inovação e criatividade. Por que razão uma pessoa jovem, criativa, talentosa e consciente não encontra maneiras viáveis de usar essas qualidades para ajudar a sociedade? Alguma coisa está errada. E não me interessa que isso seja verdade no mundo inteiro. Estamos em uma época de transformações e de expectativas altas.

Mas além desse vício no mercado e no vocabulário da indústria (fabricação, protótipos, e de carona vêm junto o público-alvo, a guerrilha e todas aquelas deprimentes metáforas bélicas), essas iniciativas passam longe de qualquer preocupação com sustentabilidade. E olha que já existem construções conceituais muito interessantes no mínimo para refletir, como o cradle to cradle (que por mais inexequível que seja oferece ao menos bons argumentos para refletir sobre as finalidades dos esforços criativos). E a impressão que tenho aqui no Brasil é que se está jogando fora a gambiarra (que é nossa, tropicalizada, precária e adaptável) por uma imagem idealizada de cultura maker limpinha dos labs do primeiro mundo. Sendo que a gambiarra parece ter muito mais potência do que a linguagem dos protótipos industriais, como sugeriu o Gabriel Menotti. Aqui um trecho da minha dissertação sobre isso:

Para o pesquisador brasileiro Gabriel Menotti (MENOTTI, 2010), o protótipo é um objeto crítico de sua própria função. Em outras palavras, o protótipo só existiria enquanto etapa anterior à concretização da versão definitiva de um produto. Entretanto, à medida em que a topologia da fabricação se modifica - como parece ser o caso com a cultura maker - a utilização da ideia de protótipo induziria a um prematuro encerramento de possibilidades dos objetos, com a negação de seus diversos usos potenciais. Afirmar um objeto como protótipo implica assumir que ele tem uma existência funcional definida de antemão. Menotti sugere a necessidade de pensar outras definições para os objetos resultantes da criatividade aplicada às novas tecnologias de fabricação digital. Para ele a gambiarra, ao contrário do protótipo, caracterizaria o objeto improvisado cuja individuação é realizada pelo próprio usuário, possivelmente mais adequada a tempos pós-industriais. No limite, a perspectiva da gambiarra estimula uma maior diversidade de maneiras de apropriação e invenção, a partir da exploração de indeterminações materiais. Em outras palavras, aumentam-se as possibilidades criativas à medida em que se recusa o encerramento e delimitação das funções possíveis para determinado objeto ou conjunto de objetos. Mais do que replicar em escala local os processos industriais, é possível pensar em outras formas de relacionamento com as tecnologias digitais de confecção e transformação de objetos. Focar no conserto em vez da fabricação pode ser uma via potente de invenção e resistência.

E para continuar na viagem egocêntrica (como já fui categorizado por um mala por aí), mais um trecho da dissertação:

De fato, em uma época na qual a humanidade produz quantidades imensas e crescentes de lixo cuja proporção potencial de reciclagem pode no máximo manter-se estável, a mera sugestão de multiplicarem-se os meios de fabricação de novos objetos deveria ser profundamente questionada. A alternativa, utilizar as tecnologias de fabricação para produzirem-se peças que possibilitem a reutilização de materiais, equipamentos e objetos, não encontra tanta repercussão na mídia de tecnologia (e ainda menos, como é de se esperar, na de negócios).

Sintomaticamente, James Wallbank afirma que a impressora 3D é o mais complexo e menos útil dos equipamentos que tipicamente constituem um lab de fabricação. Em suas versões acessíveis, ela tem baixa resolução - resultando em objetos com aparência de inacabados, bruto. Os objetos produzidos raramente são recicláveis. E a geração de arquivos para produzir objetos com elas exige o domínio de mais conhecimento abstrato e softwares específicos. Ainda assim, Wallbank sugere que a impressora 3D fala ao imaginário e aos desejos de futuro de camadas maiores da população. Para ele, entretanto, a cortadora laser é um dos equipamentos com maior potencial de gerar inovação concreta, uma vez que já pode entregar produtos acabados ou semiacabados. Costuma contar o caso de um designer gráfico desempregado que frequentava o ReFab Space e projetou um modelo de caixa para o minicomputador Raspberry Pi. Com o número de encomendas recebidas, ele montou uma oficina com algumas cortadoras laser, que utiliza para fabricar as caixas. Já teria contratado três pessoas para trabalhar com ele.

No Brasil, os Fablabs ainda estão limitados em grande medida ao âmbito acadêmico. Alguns hackerspaces têm suas impressoras 3D, mas via de regra estão ali por enquanto mais como curiosidades do que instrumentos de produção. É digno de nota, por outro lado, que alguns dos equipamentos listados nas recomendações para Fablabs, como cortadoras de vinil adesivo e máquinas de bordar, estejam (há tempos) presentes em empresas de sinalização e faixas em qualquer periferia urbana, quiosques de shopping centers e afins. É possível imaginar que os laboratórios de fabricação teriam maior potencial transformador quando associados a projetos de inclusão social através do empreendedorismo - incorporando a penetração já existente dessas tecnologias, naturalizando a gambiarra como objeto inovador em si mesmo e valorizando a inventividade cotidiana. Contudo, ainda são raros os projetos que se arriscam nessa seara.

E para encerrar o festival de autocitações, uma nota de rodapé sobre as impressoras 3D:

A própria nomenclatura utilizada para denominá-la[s] indica um foco primordial em características técnicas - a impressora 3D se diferencia das impressoras de papel, que produziriam ("somente") em duas dimensões. Pode-se tentar uma interpretação alternativa, segundo a qual a impressora 3D permite "dar saída" a arquivos gerados em softwares de modelagem tridimensionais, mas isso é jogar a mesma limitação conceitual para o software. Outros nomes, como "máquinas de prototipagem rápida", como discuti acima, também carregam muito mais do que se costuma refletir - por que precisaríamos pensar que elas só se prestam a protótipos? Uma solução possível seria deixar de lado a dicotomia improdutiva entre duas ou três dimensões e chamá-las de "impressoras de coisas" ou "fabricadoras de coisas". Afinal, em um Makerspace são utilizadas lado a lado ferramentas bidimensionais e tridimensionais.

Enfim, algumas inquietações que já estavam latentes mas o artigo recomendado pela Raquel fez despertar de novo. Daqui a dois meses darei um curso sobre gambiarra e "repair culture" e pretendo retomar algumas dessas reflexões. Por enquanto, o único comentário: gambiarra vale muito mais do que a maker culture. E daqui a cinco anos, quando a moda passar, a gambiarra vai continuar necessária. Espero que não tenha sido deixada de lado pelos ventos do hype.

Raquel Rennó mandou pela rede social do capeta um bom artigo no Medium com o título "Yes we can. But should we?", que levanta uma visão um pouco mais crítica pra toda a coisa da "cultura maker". Traduzindo livremente um trecho: Parece haver uma confusão conceitual sobre o que a impressão 3D possibilita ou não. Ela nos permite encantar uma criança de quatro anos criando praticamente do nada um mini Darth Vader? Sim, permite. Mas o objeto não se materializa do nada. Uma impressora 3D consome de cinquenta a cem vezes mais energia elétrica para fazer um objeto do que o processo de injeção de plástico moldado. Além disso, as emissões de uma impressora 3D de mesa são similares a queimar um cigarro ou cozinhar em um fogão a gás ou elétrico. E o material escolhido para todas essas novas coisas que estamos clamando por fazer é esmagadoramente o plástico. De certo modo, é um deslocamento ambiental para o lado inverso, contrapondo-se a leis recentes para reduzir o uso de plástico que banem sacolas plásticas e estimulam a reformulação de embalagens. Ao mesmo tempo em que mais pessoas levam sacolas de tecido para o supermercado, o plástico se acumula em outros campos, da Techshop à Target.
Categorias: Blogues

Medos

Dalton Martins - sex, 12/09/2014 - 10:17
Um medo passou por aqui,
Deu um sinal de canto de olhar e me aguardou passar logo a frente, a espreita. Outro fingiu que me olhava pelo espelho retrovisor de um carro com pressa, Cruzando a cidade na madrugada fria.
Um terceiro, parado na porta de casa,
Me pedia insistente sua cota de atenção, energia e vida.
Juntos, tentaram apenas me imobilizar,
Pedindo apenas que eu consentisse que ja nao era mais capaz de viver sem eles.

Fizeram juras de amor, cantaram cancoes, fizeram promessas de fidelidade. Foram agressivos.
Me disseram que sem eles, sem a frustracao que me traziam, eu seria fraco, Apenas um pouco mais de nada em meio a um mundo de fortes, todos eles protegidos por seus medos fieis.

Por longos anos, hesitei, lhes concedendo frestas de razao, a vez e a prioridade nas tomadas de decisao.
Mas, subitamente, hoje não.
Hoje, talvez, eu de fato não seja mais eu e não me procure neles, para firmar referância e saber o que fazer quando a vida me pegar deprevinido.

Hoje não. Não tenho resposta, só carrego perguntas.
Não tenho certezas, só carrego a mente que é capaz de produzi-las.
Hoje o tempo vai passar diferente, apenas aguardando o agora no momento seguinte.
Hoje só direi talvez.
E não direi talvez como quem duvida de si, mas como quem assiste aos diversos si surgindo e desaparecendo diante de si.

Hoje o quando desaparece de mim e surge, como se fosse um antigo conhecido, dando lugar a coragem do vir a ser.
Hoje, e talvez apenas hoje, os medos não me encontrarão igual, rindo de minha previsibilidade perante suas velhas questões e minhas velhas respostas.

Hoje, não.
Hoje despertei menino, veloz, traquina, risonho.
Hoje só cabe ele no espaço de um dia.
Categorias: Blogues

Primeiro ponto

Ubalab - qui, 11/09/2014 - 00:04

Hoje demos o primeiro passo para a concretização do ponto ubalab, que pretende virar um espaço de trabalho e encontro para pessoas que atuam com tecnologia, comunicação e cultura em Ubatuba. Temos que inventar tudo, de modos de relacionamento a sustentabilidade do espaço.

Ainda temos pouco: espaço, wifi, divisórias, boa música, algumas mesas e cadeiras. Já temos muito: espaço, wifi, divisórias, boa música, algumas mesas e cadeiras.

Mas amanhã eu levo a cafeteira.

Hoje demos o primeiro passo para a concretiza&ccedil;&atilde;o do ponto ubalab, que pretende virar um espa&ccedil;o de trabalho e encontro para pessoas que atuam com tecnologia, comunica&ccedil;&atilde;o e cultura em Ubatuba. Temos que inventar tudo, de modos de relacionamento a sustentabilidade do espa&ccedil;o.Ainda temos pouco: espa&ccedil;o, wifi, divis&oacute;rias, boa m&uacute;sica, algumas mesas e cadeiras. J&aacute; temos muito: espa&ccedil;o, wifi, divis&oacute;rias, boa m&uacute;sica, algumas mesas e cadeiras.Mas amanh&atilde; eu levo a cafeteira.
Categorias: Blogues

Ponto Ubalab

Ubalab - dom, 07/09/2014 - 19:03

Começando a fermentar aqui a criação de um espaço de trabalho flexível, no centro de Ubatuba. "Co-working" é a expressão da moda, mas pra mim são práticas mais antigas, e desejos já de algum tempo. Convidar pessoas, ajudar coisas interessantes a acontecerem. Trocar. Conectar rede e rua. Chamar de "lab" seria redundante (um lab ubalab?). Pensei espaço ubalab, chão ubalab. Ultimamente tenho "ponto ubalab" na cabeça. Será que funciona?

Tempos, maturação, redes, clareza. As coisas vão aparecendo.

Estou chamando quem se interessar sobre esse assunto para conversar (olho no olho) nesta quarta-feira às 11h na sede da Gaivota FM. Se quiser saber mais, me mande uma mensagem.

Come&ccedil;ando a fermentar aqui a cria&ccedil;&atilde;o de um espa&ccedil;o de trabalho flex&iacute;vel, no centro de Ubatuba. &quot;Co-working&quot; &eacute; a express&atilde;o da moda, mas pra mim s&atilde;o pr&aacute;ticas mais antigas, e desejos j&aacute; de algum tempo. Convidar pessoas, ajudar coisas interessantes a acontecerem. Trocar. Conectar rede e rua. Chamar de &quot;lab&quot; seria redundante (um lab ubalab?). Pensei espa&ccedil;o ubalab, ch&atilde;o ubalab. Ultimamente tenho &quot;ponto ubalab&quot; na cabe&ccedil;a. Ser&aacute; que funciona?Tempos, matura&ccedil;&atilde;o, redes, clareza. As coisas v&atilde;o aparecendo.Estou chamando quem se interessar sobre esse assunto para conversar (olho no olho) nesta quarta-feira &agrave;s 11h na sede da Gaivota FM. Se quiser saber mais, me mande uma mensagem.
Categorias: Blogues

Lixo Eletrônico

efeefe -- metareciclagem - sex, 29/08/2014 - 17:24
Este post foi agregado por RSS. Link original:
---

Os organizadores do Giro Sustentável de Ubatuba me pediram para moderar uma discussão online a respeito de "metareciclagem". A MetaReciclagem é uma rede que surgiu em meados de 2002 e foi bastante ativa nos anos seguintes na discussão sobre apropriação crítica de tecnologias da informação, com um foco particular na reutilização de equipamentos eletrônicos utilizando-se software livre e de código aberto.

A perspectiva da MetaReciclagem propõe nesse sentido duas coisas: que as pessoas não sejam somente usuárias das tecnologias, mas entendam como elas funcionam por dentro para transformarem-se em agentes críticos de tecnologias; e que se promova a extensão da vida útil dos equipamentos eletrônicos a partir de seu reuso, ressignificação e transformação. Existem muitas nuances nesse debate, assim como algumas questões burocráticas, logísticas e legais. Compartilho aqui algumas referências para iniciar o debate:

Blog Lixo Eletrônico, que está parado há alguns anos mas armazena muita informação sobre o tema. Recomendo em especial uma série de artigos que escrevi em 2009 mas ainda podem fazer sentido: o Ciclo do Lixo Eletrônico. Ver também o vídeo A história dos eletrônicos, de Annie Leonard. E-wasteland, um filme duro que mostra o tipo de lugar onde vai parar boa parte do material eletrônico descartado no mundo.

De acordo com a Política Nacional de Resíduos Sólidos aprovada em 2010, a responsabilidade pela destinação do material eletroeletrônico é dos fabricantes ou importadores dos equipamentos. Mas é interessante pensar em centros locais de triagem que proporcionem o reaproveitamento dos materiais antes de sua deposição final. Em Ubatuba teremos no dia 10 de setembro a audiência pública sobre plano municipal de gestão de resíduos sólidos, e é importante levantar essa questão por lá.

Os organizadores do Giro Sustentável de Ubatuba me pediram para moderar uma discussão online a respeito de "metareciclagem". A MetaReciclagem é uma rede que surgiu em meados de 2002 e foi bastante ativa nos anos seguintes na discussão sobre apropriação crítica de tecnologias da informação, com um foco particular na reutilização de equipamentos eletrônicos utilizando-se software livre e de código aberto.A perspectiva da MetaReciclagem propõe nesse sentido duas coisas: que as pessoas não sejam somente usuárias das tecnologias, mas entendam como elas funcionam por dentro para transformarem-se em agentes críticos de tecnologias; e que se promova a extensão da vida útil dos equipamentos eletrônicos a partir de seu reuso, ressignificação e transformação. Existem muitas nuances nesse debate, assim como algumas questões burocráticas, logísticas e legais. Compartilho aqui algumas referências para iniciar o debate: Blog Lixo Eletrônico, que está parado há alguns anos mas armazena muita informação sobre o tema. Recomendo em especial uma série de artigos que escrevi em 2009 mas ainda podem fazer sentido: o Ciclo do Lixo Eletrônico. Ver também o vídeo A história dos eletrônicos, de Annie Leonard. E-wasteland, um filme duro que mostra o tipo de lugar onde vai parar boa parte do material eletrônico descartado no mundo.De acordo com a Política Nacional de Resíduos Sólidos aprovada em 2010, a responsabilidade pela destinação do material eletroeletrônico é dos fabricantes ou importadores dos equipamentos. Mas é interessante pensar em centros locais de triagem que proporcionem o reaproveitamento dos materiais antes de sua deposição final. Em Ubatuba teremos no dia 10 de setembro a audiência pública sobre plano municipal de gestão de resíduos sólidos, e é importante levantar essa questão por lá.Os organizadores do Giro Sustentável de Ubatuba me pediram para moderar uma discussão online a respeito de "metareciclagem". A MetaReciclagem é uma rede que surgiu em meados de 2002 e foi bastante ativa nos anos seguintes na discussão sobre apropriação crítica de tecnologias da informação, com um foco particular na reutilização de equipamentos eletrônicos utilizando-se software livre e de código aberto.A perspectiva da MetaReciclagem propõe nesse sentido duas coisas: que as pessoas não sejam somente usuárias das tecnologias, mas entendam como elas funcionam por dentro para transformarem-se em agentes críticos de tecnologias; e que se promova a extensão da vida útil dos equipamentos eletrônicos a partir de seu reuso, ressignificação e transformação. Existem muitas nuances nesse debate, assim como algumas questões burocráticas, logísticas e legais. Compartilho aqui algumas referências para iniciar o debate:
Categorias: Blogues

Lixo Eletrônico

Ubalab - sex, 29/08/2014 - 17:24

Os organizadores do Giro Sustentável de Ubatuba me pediram para moderar uma discussão online a respeito de "metareciclagem". A MetaReciclagem é uma rede que surgiu em meados de 2002 e foi bastante ativa nos anos seguintes na discussão sobre apropriação crítica de tecnologias da informação, com um foco particular na reutilização de equipamentos eletrônicos utilizando-se software livre e de código aberto.

A perspectiva da MetaReciclagem propõe nesse sentido duas coisas: que as pessoas não sejam somente usuárias das tecnologias, mas entendam como elas funcionam por dentro para transformarem-se em agentes críticos de tecnologias; e que se promova a extensão da vida útil dos equipamentos eletrônicos a partir de seu reuso, ressignificação e transformação. Existem muitas nuances nesse debate, assim como algumas questões burocráticas, logísticas e legais. Compartilho aqui algumas referências para iniciar o debate:

De acordo com a Política Nacional de Resíduos Sólidos aprovada em 2010, a responsabilidade pela destinação do material eletroeletrônico é dos fabricantes ou importadores dos equipamentos. Mas é interessante pensar em centros locais de triagem que proporcionem o reaproveitamento dos materiais antes de sua deposição final. Em Ubatuba teremos no dia 10 de setembro a audiência pública sobre plano municipal de gestão de resíduos sólidos, e é importante levantar essa questão por lá.

Os organizadores do Giro Sustent&aacute;vel de Ubatuba me pediram para moderar uma discuss&atilde;o online a respeito de &quot;metareciclagem&quot;. A MetaReciclagem &eacute; uma rede que surgiu em meados de 2002 e foi bastante ativa nos anos seguintes na discuss&atilde;o sobre apropria&ccedil;&atilde;o cr&iacute;tica de tecnologias da informa&ccedil;&atilde;o, com um foco particular na reutiliza&ccedil;&atilde;o de equipamentos eletr&ocirc;nicos utilizando-se software livre e de c&oacute;digo aberto.A perspectiva da MetaReciclagem prop&otilde;e nesse sentido duas coisas: que as pessoas n&atilde;o sejam somente usu&aacute;rias das tecnologias, mas entendam como elas funcionam por dentro para transformarem-se em agentes cr&iacute;ticos de tecnologias; e que se promova a extens&atilde;o da vida &uacute;til dos equipamentos eletr&ocirc;nicos a partir de seu reuso, ressignifica&ccedil;&atilde;o e transforma&ccedil;&atilde;o. Existem muitas nuances nesse debate, assim como algumas quest&otilde;es burocr&aacute;ticas, log&iacute;sticas e legais. Compartilho aqui algumas refer&ecirc;ncias para iniciar o debate: Blog Lixo Eletr&ocirc;nico, que est&aacute; parado h&aacute; alguns anos mas armazena muita informa&ccedil;&atilde;o sobre o tema. Recomendo em especial uma s&eacute;rie de artigos que escrevi em 2009 mas ainda podem fazer sentido: o Ciclo do Lixo Eletr&ocirc;nico. Ver tamb&eacute;m o v&iacute;deo A hist&oacute;ria dos eletr&ocirc;nicos, de Annie Leonard. E-wasteland, um filme duro que mostra o tipo de lugar onde vai parar boa parte do material eletr&ocirc;nico descartado no mundo.De acordo com a Pol&iacute;tica Nacional de Res&iacute;duos S&oacute;lidos aprovada em 2010, a responsabilidade pela destina&ccedil;&atilde;o do material eletroeletr&ocirc;nico &eacute; dos fabricantes ou importadores dos equipamentos. Mas &eacute; interessante pensar em centros locais de triagem que proporcionem o reaproveitamento dos materiais antes de sua deposi&ccedil;&atilde;o final. Em Ubatuba teremos no dia 10 de setembro a audi&ecirc;ncia p&uacute;blica sobre plano municipal de gest&atilde;o de res&iacute;duos s&oacute;lidos, e &eacute; importante levantar essa quest&atilde;o por l&aacute;.
Categorias: Blogues

Unboxing GeForce 770 GTX Zotac

Liquuid - qui, 28/08/2014 - 22:16

Primeira peça do meu novo PC pra jogos, será que é forte

Categorias: Blogues

Altered Collage Dresses...

Vem do lixo - Naná Hayne - qui, 28/08/2014 - 09:31
Não é genial imaginar que você pode ter roupas "novinhas" a partir daquelas que já usou tanto? Pois é, com vários retalhos você transforma e ainda deixa com o look que você mais gosta =)))

Categorias: Blogues

II encontro da lingua mãe pataxó(patôxhã)

Bailux - Arraial d´Ajuda - qui, 28/08/2014 - 08:38
 

 Foi realizado na Escola Indígena Pataxó Aldeia Velha o II ENCONTRO DOS PROFESSORES DA LÍNGUA MATERNA DAS ESCOLAS INDÍGENAS DE PORTO SEGURO: Contextualizando o Processo Histórico da Língua Materna e Integração Cultural, realizado pela Secretaria Municipal de Educação de Porto Seguro através da Diretoria de Educação Escolar Indígena, com o apoio da Varanda Cultural, IFBA – LINTER – Licenciatura Intercultural, Escola Indígena Pataxó Aldeia Velha e Grupo Atxõhã. O Bailux e a Varanda cultural  estiveram presente facilitando a vinda do Ativista e Artista  Mikko Lipiainen que registrou um olhar em aúdio e vídeo sobre o encontro.

Aguardamos mais informações sobre o evento no Blog da Aldeia velha pataxó http://aldeiavelha.wordpress.com/

 

 

Categorias: Blogues

Consulta sobre o IFSP Ubatuba - Meu voto... talvez.

Ubalab - sex, 15/08/2014 - 18:13

A partir da segunda-feira 18/08, estará aberta a consulta online para decidir qual o primeiro curso a ser oferecido pelo Instituto Técnico Federal de Ubatuba, que deve iniciar suas atividades no segundo semestre de 2015. Quero compartilhar aqui uma reflexão sobre o tema.

Na audiência ocorrida no mês passado na qual o debate se iniciou, eu tive a oportunidade de expor a opinião de que Ubatuba deveria oferecer cursos públicos em áreas ligadas à chamada "economia criativa", apesar de eu ter minhas já muitas vezes explicitadas críticas à maneira como este campo costuma ser pensado. Não é que a economia criativa seja uma fórmula mágica para Ubatuba, mas a outra alternativa (uma visão tradicional de mercado de serviços em empresas de perfil mais tradicional) me parece muito pior. Parto do princípio de que um ensino técnico voltado ao preenchimento de vagas só contribui para a usual evasão de talentos de Ubatuba: formados sob um modelo segundo o qual o sucesso deve ser medido pelo crescimento dentro do caminho corporativo, jovens talentos logo "batem no teto" e não veem horizonte para crescimento, e acabam deixando a cidade para nunca voltar. Também externei minha percepção de que, já contando com cursos técnicos de administração, contabilidade, informática, nutrição, turismo e meio ambiente, a cidade tem uma demanda reprimida por profissionais de comunicação com uma formação contemporânea.

Minha opinião foi democraticamente vencida durante a audiência. Também minotirários na audiência pública foram os participantes que levantaram a demanda de cursos de design, e de sustentabilidade ou ciências biológicas. Ao fim da noite, decidiu-se que o eixo tecnológico central do IFSP de Ubatuba será "gestão e negócios". Uma resposta de pouca imaginação, na minha humilde opinião. Mesmo assim, considero importante pensar a maneira como os cursos serão montados e oferecidos. Ubatuba tem características únicas. Em especial na minha opinião, a diversidade cultural, o interesse da sociedade em participar de processos de consulta e deliberação, um número considerável de experiências de base comunitária de êxito e, obviamente, o legado ambiental.

Levando tudo isso em conta, a partir da listagem de cursos que podem ser ofertados, eu escolheria como primeira opção o "técnico em cooperativismo", que me parece importante para auxiliar uma série de iniciativas importantes de Ubatuba que podem tornar-se referência. Minha única dúvida é se seria possível mobilizar gente suficiente para entender a fundo e fazer esta escolha dentre as possíveis.

Uma segunda alternativa seria escolher o "técnico em marketing", desde que se pudesse interpretá-lo de uma maneira mais aberta - pensar marketing como ferramenta de atuação em mercados sustentáveis, transicionais e de base comunitária. E de quebra formar pessoas aptas a enfrentar a incomunicabilidade crônica das instituições públicas, empresas privadas e organizações do terceiro setor em nossa cidade.

No fim, ainda indeciso. A consulta online abre na segunda-feira, e fica no ar por um mês. Há tempo para pensar, e conversar a respeito.

A partir da segunda-feira 18/08, estar&aacute; aberta a consulta online para decidir qual o primeiro curso a ser oferecido pelo Instituto T&eacute;cnico Federal de Ubatuba, que deve iniciar suas atividades no segundo semestre de 2015. Quero compartilhar aqui uma reflex&atilde;o sobre o tema.Na audi&ecirc;ncia ocorrida no m&ecirc;s passado na qual o debate se iniciou, eu tive a oportunidade de expor a opini&atilde;o de que Ubatuba deveria oferecer cursos p&uacute;blicos em &aacute;reas ligadas &agrave; chamada &quot;economia criativa&quot;, apesar de eu ter minhas j&aacute; muitas vezes explicitadas cr&iacute;ticas &agrave; maneira como este campo costuma ser pensado. N&atilde;o &eacute; que a economia criativa seja uma f&oacute;rmula m&aacute;gica para Ubatuba, mas a outra alternativa (uma vis&atilde;o tradicional de mercado de servi&ccedil;os em empresas de perfil mais tradicional) me parece muito pior. Parto do princ&iacute;pio de que um ensino t&eacute;cnico voltado ao preenchimento de vagas s&oacute; contribui para a usual evas&atilde;o de talentos de Ubatuba: formados sob um modelo segundo o qual o sucesso deve ser medido pelo crescimento dentro do caminho corporativo, jovens talentos logo &quot;batem no teto&quot; e n&atilde;o veem horizonte para crescimento, e acabam deixando a cidade para nunca voltar. Tamb&eacute;m externei minha percep&ccedil;&atilde;o de que, j&aacute; contando com cursos t&eacute;cnicos de administra&ccedil;&atilde;o, contabilidade, inform&aacute;tica, nutri&ccedil;&atilde;o, turismo e meio ambiente, a cidade tem uma demanda reprimida por profissionais de comunica&ccedil;&atilde;o com uma forma&ccedil;&atilde;o contempor&acirc;nea.Minha opini&atilde;o foi democraticamente vencida durante a audi&ecirc;ncia. Tamb&eacute;m minotir&aacute;rios na audi&ecirc;ncia p&uacute;blica foram os participantes que levantaram a demanda de cursos de design, e de sustentabilidade ou ci&ecirc;ncias biol&oacute;gicas. Ao fim da noite, decidiu-se que o eixo tecnol&oacute;gico central do IFSP de Ubatuba ser&aacute; &quot;gest&atilde;o e neg&oacute;cios&quot;. Uma resposta de pouca imagina&ccedil;&atilde;o, na minha humilde opini&atilde;o. Mesmo assim, considero importante pensar a maneira como os cursos ser&atilde;o montados e oferecidos. Ubatuba tem caracter&iacute;sticas &uacute;nicas. Em especial na minha opini&atilde;o, a diversidade cultural, o interesse da sociedade em participar de processos de consulta e delibera&ccedil;&atilde;o, um n&uacute;mero consider&aacute;vel de experi&ecirc;ncias de base comunit&aacute;ria de &ecirc;xito e, obviamente, o legado ambiental.Levando tudo isso em conta, a partir da listagem de cursos que podem ser ofertados, eu escolheria como primeira op&ccedil;&atilde;o o &quot;t&eacute;cnico em cooperativismo&quot;, que me parece importante para auxiliar uma s&eacute;rie de iniciativas importantes de Ubatuba que podem tornar-se refer&ecirc;ncia. Minha &uacute;nica d&uacute;vida &eacute; se seria poss&iacute;vel mobilizar gente suficiente para entender a fundo e fazer esta escolha dentre as poss&iacute;veis.Uma segunda alternativa seria escolher o &quot;t&eacute;cnico em marketing&quot;, desde que se pudesse interpret&aacute;-lo de uma maneira mais aberta - pensar marketing como ferramenta de atua&ccedil;&atilde;o em mercados sustent&aacute;veis, transicionais e de base comunit&aacute;ria. E de quebra formar pessoas aptas a enfrentar a incomunicabilidade cr&ocirc;nica das institui&ccedil;&otilde;es p&uacute;blicas, empresas privadas e organiza&ccedil;&otilde;es do terceiro setor em nossa cidade.No fim, ainda indeciso. A consulta online abre na segunda-feira, e fica no ar por um m&ecirc;s. H&aacute; tempo para pensar, e conversar a respeito.
Categorias: Blogues

Novos ventos

Ubalab - sab, 09/08/2014 - 22:00

Ubalab preparando a criação de um espaço de co-working junto à Gaivota FM, no centro de Ubatuba. Começando devagar, mas mil ideias na cabeça.

Interessadxs, entrem em contato.

Ubalab preparando a cria&ccedil;&atilde;o de um espa&ccedil;o de co-working junto &agrave; Gaivota FM, no centro de Ubatuba. Come&ccedil;ando devagar, mas mil ideias na cabe&ccedil;a.Interessadxs, entrem em contato.
Categorias: Blogues

Rede de Afetos Bailux

Bailux - Arraial d´Ajuda - qua, 06/08/2014 - 11:36

“Foto de Angelo Pataxó:Pinturas nas varandas de Aldeia Velha Pataxó”

“TECNOLOGIA SÃO PESSOAS”.

Tudo começou com o conceito do software livre http://pt.wikipedia.org/wiki/Software_livre e uma reportagem do Antropólogo Hermano Viana ,A Disseminação Silenciosa do Software Livre http://www.dicas-l.com.br/arquivo/a_disseminacao_silenciosa_do_software_livre.php#.U8AUgPFhLKM e a participação ativa na comunidade virtual da metareciclagem
http://rede.metareciclagem.org/ com a criação do Espóro Metareciclagem Bailux no Arraial d’Ajuda, http://bailux.wordpress.com/ estava dada as condições para as ações Bailux na tecnologia e transformação social.

No inicio foi o aproveitamento de espaços mínimos(puxadinhos)criação de laboratórios com aproveitamento de computadores da baixo rendimento,recombinações de peças,faça voçẽ mesmo,instalação do Linux ,conexão a internet o aprendizado em rede com a potencia das inteligencias coletivas. Neste primeiros três anos o Bailux teve como facilitador o Hacker do vale do silício Jurgen Boltz na formação de replicadores.Em 2009 houve um movimento espontâneo da rede Metareciclagem para escolher o Bailux como a sede do encontro presencial Encontrão Transdimensional http://rede.metareciclagem.org/wiki/Encontr%C3%A3o-Transdimensional-Edital-de-interc%C3%A2mbio-inscri%C3%A7%C3%B5es-individuais.

Este encontro fortaleceu as atividades com a rede local e o surgimento de um primeiro espaço replicador http://casafilhosdoceu.wordpress.com/2010/09/.Ampliando as Redes de afetos,o Bailux foi escolhido pela submidiologia http://bazar21.wordpress.com/2010/03/16/submidialogia-arraial-d-ajuda-de-29-de-abril-a-05-de-maio/ deste encontro foram feitos os primeiros contatos com os pataxó de Aldeia Velha https://bailux.jux.com/1400004 Conectando escola da aldeia,ponto de cultura e o quintal da pajé, atividades estas que mais recentemente levou o Bailux até as varandas da aldeia na casa de Angelo e Arnã http://bailux.wordpress.com/2013/01/07/varanda-cultural-pataxo/ No inicio de 2014 o Bailux reaproxima do facilitador em tecnologias alternativas Jurgen Boltz,agora na prática da permacultura no Instituto Itapeco e colaborador no quintal da pajé.Destas relações surge o encontro de tecnoxamanismo uma rede de varias outras redes que realizam uma convergência no festival realizado no sitio itapeco http://tecnoxamanismo.metareciclagem.org/index.php?title=P%C3%A1gina_principal tendo como articulador entre os diferentes pontos o Bailux https://www.youtube.com/watch?v=l7BtVQfscOQ Com esta experiencia o Bailux e Jurgen Boltz iniciam praticas para implantação de espaços abertos de vivencias e compartilhamento de conhecimento,formando replicadores com as comunidades vizinhas na apropriação da tecnologia digital,tecnologias alternativas,ecologia e permacultura http://bailux.wordpress.com/.
Categorias: Blogues

Rede de afetos bailux e a maquete do instituto itapeco de permacultura

Bailux - Arraial d´Ajuda - seg, 07/07/2014 - 16:42
Encontros afetivos na construção de uma maquete e locação dos espaços de práticas na permacultura e tecnologias livres no itapeco. https://www.flickr.com/photos/bailux2006
Categorias: Blogues

Hello world!

Centro de Inovação Social dos Araçás - qui, 14/11/2013 - 06:19

Welcome to WordPress. This is your first post. Edit or delete it, then start blogging!

The post Hello world! appeared first on Profit In 60 Secods Review.net.

Categorias: Blogues

Criando um mapa com dados importados do OpenStreetMap

Wille - Hacked - qua, 06/11/2013 - 23:38

Eu mapeei todas as estações de compartilhamento de bicicletas do BikeSalvador e queria fazer um mapa que mostrasse essas estações. Quando havia apenas cinco estações, após mapear no OSM, eu criei um arquivo GeoJSON usando o geojson.io. Porém agora já são 19 estações. Seria um retrabalho enorme mapear as estações no OSM e depois criar o geojson manualmente.

Felizmente conheci o osmfilter, um software para filtrar os dados do OpenStreetMap. Combinando o osmfilter com o geojson.io é possível facilmente extrair alguns dados do OpenStreetMap e apresentar essa informação em um mapa personalizado. Então vamos às instruções de como fazer isso.

O primeiro passo é baixar os dados do OSM. Se você quiser trabalhar com a base de dados de todo o Brasil, você pode baixar dos servidores do GeoFabrik. Como eu necessitava apenas dos dados de uma cidade, utilizei o editor JOSM, fiz o download dos dados e salvei em um arquivo .osm no meu computador.

Agora nós precisamos utilizar o osmfilter. Veja as instruções de instalação na página osmfilter no Wiki do OpenStreetMap. O comando que eu utilizei para filtrar as estações de compartilhamento de bicicletas de Salvador foi:

./osmfilter salvador.osm --keep="amenity=bicycle_rental" > bikesalvador.osm

Você pode combinar mais de um filtro em um único comando. Por exemplo, se você quiser filtrar todos os restaurantes italianos, você poderia utilizar --keep="amenity=restaurant and cuisine=italian".

Aqui entra o geojson.io. Acesse o site, clique no botão Open e importe o arquivo gerado pelo osmfilter.

Após isso, você vai ver todos os dados filtrados sobre o mapa, inclusive os metadados. Se parte dos metadados não te interessar, você pode remover uma ou mais colunas.

Você vai precisar de uma conta no GitHub para salvar seu arquivo GeoJSON. Depois de salvar, o GitHub irá te fornecer uma página com o seu GeoJSON e também um código para que você possa incluir o mapa que você criou em uma página web. O mapa gerado pelo geojson.io é esse abaixo:

Quem quiser criar um mapa ainda melhor, recomendo ler esse tutorial de como adicionar uma camada GeoJSON ao Leaflet.

Categorias: Blogues

Avaliação do BikeSalvador

Wille - Hacked - qui, 31/10/2013 - 23:03

Esse fim de semana usei pela primeira vez o sistema de bicicletas compartilhadas de Salvador, o BikeSalvador. O sistema entrou em funcionamento no final do mês de Setembro e hoje conta com 19 estações em funcionamento. As estações estão espalhadas por boa parte da orla da cidade e pelo centro. No início do próximo ano, o número será de 40 estações.

No bairro da Barra vi muita gente utilizando o BikeSalvador. Em duas vezes que precisei das bicicletas, não havia nenhuma disponível na estação. Segundo um dos jornais locais, muita gente reclama que não há vaga para devolver a bicicleta em alguns horários e estações. Creio que com o aumento do número de estações esses problemas vão ser solucionados, visto que a distância entre as estações será menor e o número de bicicletas maior.

Achei o tempo de utilização gratuito do BikeSalvador longo demais. De segunda a sábado, as viagens de até 45 minutos são gratuitas. Aos domingos, o tempo é de 90 minutos. Acredito que esse tempo longo foi estabelecido para atrair pessoas que querem usar a bicicleta para lazer. Não chega a ser um grande problema, mas pode provocar dificuldade dos usuários encontrarem bicicletas disponíveis.

O cadastro no sistema foi bem fácil e rápido e a liberação da bicicleta também. O que eu acho chato é que precisa de um telefone para liberar a bicicleta (através de uma ligação ou com o aplicativo). Em Londres a liberação é feita na estação com um cartão de crédito.

As bicicletas são bastante leves e confortáveis. O retrovisor tem um tamanho bom, mas a haste é feita com um material muito flexível, o que faz com que ele balance muito. Outra modificação que eu faria seria aumentar a capacidade do cesto da bicicleta.

Acredito que o BikeSalvador está sendo muito importante para para dar mais visibilidade às bicicletas no trânsito da cidade e para difundir a bicicleta como meio de transporte. Há alguns meses ter um sistema desse na Bahia era um sonho improvável pra mim…

Abaixo o mapa do OpenStreetMap com a localização das estações.

Categorias: Blogues

Criando um aplicativo móvel HTML5 em menos de 24 horas

Wille - Hacked - ter, 22/10/2013 - 23:32

Tudo começou quando meu amigo e colega de trabalho César Velame me propôs fazer um aplicativo que calculasse a nota necessária na prova final para um aluno ser aprovado. Como a UFRB utiliza pesos diferentes entre a prova final e a média da disciplina, muita gente tem dificuldade em calcular a nota necessária para ser aprovado. O intuito do aplicativo foi facilitar a vida desses estudantes.

Começamos a fazer na manhã de segunda-feira. Utilizamos jQuery Mobile, que eu já tinha alguma experiência, pois utilizei no Clips.tk. Acabei não me lembrando que na homepage do jQuery Mobile há uma ferramenta que permite gerar a estrutura básica da página HTML. Isso teria nos poupado algum tempo, mas valeu o aprendizado. jQuery Mobile é fantástico e bem fácil de usar!

Aprendemos também um pouco de javascript para calcular a nota necessária na prova final e fazer isso ser exibido na página. No final do dia, disponibilizamos a primeira versão do aplicativo em fuiprafinal.com.br. Na manhã seguinte, corrigimos alguns erros e fizemos um layout mais atraente. Eu também escrevi algumas frases engraçadinhas para o app mostrar de acordo com a situação do estudante!

Ainda estamos melhorando o Fui pra final! e em breve vamos disponibilizar no Marketplace do Firefox OS e testar a geração de aplicativos nativos para Android e outras plataformas através do PhoneGap.

Essa experiência foi muito interessante, pois foi uma maneira divertida e prática de aprender novas ferramentas. O fato de estar disponibilizando algo para as pessoas nos estimula a programar mais e com melhor qualidade. O código fonte do aplicativo está disponível no GitHub.

Categorias: Blogues

Ciclovias e cultura de uso da bicicleta

Wille - Hacked - sex, 30/08/2013 - 23:04

Muita gente coloca a existência de ciclovias como um fator determinante para que as pessoas usem a bicicleta como meio de transporte em uma cidade. No entanto alguns exemplos provam que o uso da bicicleta é muito mais uma questão de cultura do que de infraestrutura urbana. Pedalar em Londres e Barcelona me deram argumentos para defender essa opinião.

Barcelona foi a primeira cidade do mundo a ter um sistema de empréstimo de bicicletas público. Em comparação com Londres, praticamente tudo em Barcelona é mais favorável ao uso da bicicleta. O clima é mais ameno, a cidade é menor e a quantidade de ciclovias é maior. Pedalei bastante na orla e na região central de Barcelona e praticamente não precisei dividir espaço com os carros na rua. Pedalei bem pouco fora de ciclovias. Já na região central de Londres há apenas algumas ciclofaixas e pouquíssimas ciclovias. Os ciclistas podem usar as faixas exclusivas para ônibus, porém os táxis também as utilizam e, no centro da cidade, há mais táxis circulando do que outros carros. Apesar de tudo isso, Londres tem muito mais pessoas pedalando. Já as ruas de Barcelona, mesmo com um sistema de transporte público barato e de excelente qualidade, estão cheias de carros e não há tantos ciclistas quanto a infraestrutura da cidade permite.

O que explicaria essas situações completamente opostas? Considero ciclovias e ciclofaixas importantes. É ótimo ter um espaço para pedalar com toda a segurança, porém incentivar a cultura da bicicleta é mais importante do que construir ciclovias. Quanto mais pessoas pedalam, mais pessoas vão querer pedalar. E com mais ciclistas nas ruas, teremos mais visibilidade e seremos mais respeitados pelos motoristas.

Outro fator que considero importante para o grande número de ciclistas em Londres é o pedágio urbano aplicado por lá. Para se usar o carro na zona 1 (a mais central) paga-se £10 por dia, além do valor do estacionamento.

Sistemas de compartilhamento de bicicletas


O serviço público de aluguel de bicicletas de Londres foi meu principal meio de transporte nas 4 semanas que passei lá. O serviço não é nada burocrático, basta colocar o cartão de crédito ou débito num dos totens, pagar a taxa semanal ou diária e usar as bicicletas. Não é necessário nenhum tipo de cadastro. Já em Barcelona não pude usar o serviço de compartilhamento de bicicletas da cidade, chamado de Bicing, pois este é retrito a quem reside na cidade. A solução então foi recorrer a uma das várias empresas que alugam bicicletas para turistas.

O que eu gostei do Bicing foi o design das bicicletas, elas parecem ser bem mais leves e confortáveis do que as bicicletas de Londres…

Categorias: Blogues
Conteúdo sindicalizado