Jump to Navigation

Blogues

  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRT/-3.0/no DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRT/-3.0/no DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRT/-3.0/no DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRT/-3.0/no DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRT/-3.0/no DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRT/-3.0/no DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRT/-3.0/no DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRT/-3.0/no DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRT/-3.0/no DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRT/-3.0/no DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRT/-3.0/no DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRT/-3.0/no DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRT/-3.0/no DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRT/-3.0/no DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRT/-3.0/no DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRT/-3.0/no DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRT/-3.0/no DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRT/-3.0/no DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRT/-3.0/no DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRT/-3.0/no DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRT/-3.0/no DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRT/-3.0/no DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRT/-3.0/no DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRT/-3.0/no DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRT/-3.0/no DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRT/-3.0/no DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRT/-3.0/no DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRT/-3.0/no DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRT/-3.0/no DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRT/-3.0/no DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRT/-3.0/no DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRT/-3.0/no DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRT/-3.0/no DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRT/-3.0/no DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRT/-3.0/no DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRT/-3.0/no DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRT/-3.0/no DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRT/-3.0/no DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRT/-3.0/no DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.
  • warning: date() [function.date]: It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected 'America/Sao_Paulo' for 'BRT/-3.0/no DST' instead in /var/www/multisite_drupal6/drupal-6.19/modules/aggregator/aggregator.pages.inc on line 259.

Tecnologia do afeto e do compromisso-Bailux em 2009

Bailux - Arraial d´Ajuda - ter, 15/04/2014 - 09:50

26, 2009

Atividades de Jurgen Boltz na zona autônoma bailux no ano de 2009
https://www.flickr.com/photos/bailux2006/page17/

Categorias: Blogues

Tecnologia por quê, mesmo?

Ubalab - seg, 14/04/2014 - 22:03

A edição 97 da revista A Rede vem com um artigo meu na seção raitéqui. Publico abaixo a versão original do artigo, um pouquinho mais extensa. A revista traz também uma matéria sobre internet das coisas com algumas citações a provocações que eu fiz em conversas com a Áurea.

Como grande parte dos desenvolvimentos contemporâneos, as tecnologias da informação chegam em diferentes ritmos e disposições a grupos sociais diversos. Para alguns, parecem significar a libertação das amarras de uma sociedade pós-industrial cuja nova configuração é fragmentada e baseada nos fluxos em múltiplas direções. Estes privilegiados acreditam que, a partir do uso instrumental das novas tecnologias, podem chegar a criar espaços de liberdade e autonomia, ao mesmo tempo em que valorizam novas formas de sociabilidade e de criação do comum. Para eles, o horizonte é repleto de oportunidades inovadoras, com a promessa de mercados à espera de boas ideias e que ao mesmo tempo produzem conhecimento que é generosamente oferecido à sociedade. Para outros, a chamada era da informação não passa de um conjunto de expectativas relativamente nebulosas que usualmente são traduzidas somente no incremento de suas oportunidades de consumo (preferencialmente com um simultâneo aumento em sua capacidade de endividamento). Com frequência, nem isso acontece: a tecnologia costuma ser usada somente como instrumento de controle, monitoramento e contenção de desvios.

O complexo que faz girar a internet comercial trata estes dois extremos da mesma forma: como combustível indiferenciado de uma máquina baseada na exploração do valor das relações sociais, inclusive as comunicações particulares que acreditamos serem privativas. Para essa articulação entre as corporações de TI, a indústria da publicidade e do entretenimento (que compõem uma só área integrada, não esqueçam) e, implicitamente, o setor militar e de "inteligência", qualquer uso das tecnologias que proponha transformações profundas na sociedade deve ser neutralizado o mais rapidamente possível.

Esse contexto é cada vez mais evidente em uma época que já testemunhou manifestações de rua - em grande parte articuladas pela internet mas posteriormente instrumentalizadas pela mídia corporativa -; revelações de nomes como Julian Assange e Edward Snowden que sugerem a ampla utilização de redes sociais para informar instituições dedicadas à espionagem e controle de informação em nível internacional; além das incessantes tentativas de controlar as liberdades fundamentais à internet como instrumento de comunicação humana.

No mês passado, um post de Anahuac de Paula Gil [http://www.anahuac.eu/?p=335] levantou uma discussão importante a respeito do possível esvaziamento do movimento software livre brasileiro. Ao longo da última década e meia, o país alcançou destaque internacional decorrente do apoio institucional ao software livre e à cultura livre. O tempo mostrou que grande parte desse apoio era mera retórica ou oportunismo midiático, mas a comunidade de usuários e desenvolvedores tinha de fato potencial, entre outros motivos por conta de sua articulação com movimentos sociais cuja referência básica não era o mercado. Entretanto, as diversas camadas de ferramentas que facilitam ao máximo os relacionamentos, a publicação na web e o empreendedorismo tecnológico têm como consequência a neutralização desse potencial. À medida em que menos pessoas dedicam-se a aprender e dar forma a novas ferramentas de comunicação, e ao mesmo tempo surgem oportunidades rápidas de prestar serviços a um mercado em crescimento, é supostamente natural que haja menos desenvolvimento de tecnologias realmente transformadoras. Quando alguns dos nossos maiores talentos dedicam seu tempo a preencher espaços do mercado comercial, a sociedade tem muito a perder.

Tudo isso aponta para a necessidade de repensar as bases nas quais se situam os projetos e programas de inclusão digital. Historicamente, essas iniciativas partiam de um princípio de compensação. Ou seja, entendiam que as novas tecnologias de informação oferecem oportunidades de inclusão, principalmente por conta da articulação de novas habilidades de comunicação pessoal com um tipo de sociabilidade que poderia subverter hierarquias. Mas essas oportunidades chegavam à sociedade de maneira desequilibrada. Os projetos de inclusão digital propunham-se, então, a oferecer infraestrutura tecnológica àquelas camadas da população que não tinham acesso a tal infraestrutura por seus próprios meios, de maneira a equilibrar a equação. Essa é uma visão que no mínimo deve ser interpretada como conservadora, porque vê a sociedade como estável em torno de construções determinadas - o trabalho, a escola, a comunidade local, a família - e no topo destas construções o digital surgiria como simples aspecto adicional. Ou seja, as pessoas precisariam adaptar-se às novas possibilidades criadas pelas tecnologias para continuarem ocupando o mesmo papel na sociedade. Seriam, assim, mais vítimas do que atores da revolução digital. Entretanto, um dos maiores potenciais da comunicação digital reside justamente na capacidade de engendrar arranjos sociais que escapam a estas configurações conservadoras. Não se trata mais de garantir a manutenção de determinado papel social, e sim de criar novos e inovadores papeis.

Quando surgiram os telecentros, uma de suas características mais relevantes não era o fato de oferecerem mero acesso a computadores ou à internet, mas fundamentalmente sua capacidade de atrair cidadãos a utilizarem novos formatos de espaços públicos. Não somente como transeuntes - aqueles que circulam por um lugar -, mas como membros da sociedade que ocupavam aqueles espaços. E ocupavam espaços cuja função ainda não estava totalmente determinada. Ao contrário de outros espaços públicos - a escola, a biblioteca, a repartição, a praça -, a função objetiva do telecentro não estava clara. Era espaço de formação para o mercado, mas também era espaço de sociabilidade, de formação geral, de experimentação e aprendizado sobre artes. E essa indeterminação pode ter sido justamente o que fomentou o alto nível de inovação que estes espaços possibilitaram ao longo da última década.

O fato de que mais e mais iniciativas de inclusão digital tenham aberto mão dos espaços compartilhados em favor de uma lógica - consumista e individualista, a meu ver - do acesso doméstico à internet parece ser mais um indício negativo das tendências atuais. Somando-se ao alerta feito por Anahuac e à rendição quase total às redes sociais corporativas, o quadro é bastante obscuro. Como fazer para escapar a essas armadilhas?

O telecentro precisa ser repensado. Já passou-se quase uma década e meia desde que eles se estabeleceram como modelo [Ver http://blog.redelabs.org/blog/para-que-serve-um-telecentro]. Hoje em dia, pensar em laboratórios experimentais comunitários enquanto espaços em branco, espaços nos quais novas formas de sociabilidade podem emergir e se desenvolver, parece ser o mínimo. Hacklabs e Makerspaces sugerem novos caminhos, nos quais a apropriação crítica de tecnologias torna-se mais importante do que o mero acesso à rede. O importante é perceber que, se queremos espaços que proponham transformação social efetiva, não podemos nos contentar com uma lógica de ocupação de vagas, de estatísticas de atendimento ou mesmo de mero empreendedorismo comercial. Precisamos pensar nos futuros que queremos criar, e dedicar nosso tempo a criá-los. Voltar a pensar na importância de insistir no livre, no aberto e na cultura ao mesmo tempo questionadora e acolhedora que envolve esses adjetivos.

Felipe Fonseca é coordenador do núcleo Ubalab [http://ubalab.org]. Foi um dos fundadores da rede MetaReciclagem [http://rede.metareciclagem.org]. Vive em Ubatuba/SP, onde organiza o Tropixel [http://tropixel.ubalab.org] e leciona na Escola Técnica Municipal Tancredo de Almeida Neves. Acabou de terminar sua dissertação de mestrado pelo Labjor/Unicamp, focada nos laboratórios experimentais em rede.

A edição 97 da revista A Rede vem com um artigo meu na seção raitéqui. Publico abaixo a versão original do artigo, um pouquinho mais extensa. A revista traz também uma matéria sobre internet das coisas com algumas citações a provocações que eu fiz em conversas com a Áurea.Como grande parte dos desenvolvimentos contemporâneos, as tecnologias da informação chegam em diferentes ritmos e disposições a grupos sociais diversos. Para alguns, parecem significar a libertação das amarras de uma sociedade pós-industrial cuja nova configuração é fragmentada e baseada nos fluxos em múltiplas direções. Estes privilegiados acreditam que, a partir do uso instrumental das novas tecnologias, podem chegar a criar espaços de liberdade e autonomia, ao mesmo tempo em que valorizam novas formas de sociabilidade e de criação do comum. Para eles, o horizonte é repleto de oportunidades inovadoras, com a promessa de mercados à espera de boas ideias e que ao mesmo tempo produzem conhecimento que é generosamente oferecido à sociedade. Para outros, a chamada era da informação não passa de um conjunto de expectativas relativamente nebulosas que usualmente são traduzidas somente no incremento de suas oportunidades de consumo (preferencialmente com um simultâneo aumento em sua capacidade de endividamento). Com frequência, nem isso acontece: a tecnologia costuma ser usada somente como instrumento de controle, monitoramento e contenção de desvios.O complexo que faz girar a internet comercial trata estes dois extremos da mesma forma: como combustível indiferenciado de uma máquina baseada na exploração do valor das relações sociais, inclusive as comunicações particulares que acreditamos serem privativas. Para essa articulação entre as corporações de TI, a indústria da publicidade e do entretenimento (que compõem uma só área integrada, não esqueçam) e, implicitamente, o setor militar e de "inteligência", qualquer uso das tecnologias que proponha transformações profundas na sociedade deve ser neutralizado o mais rapidamente possível.Esse contexto é cada vez mais evidente em uma época que já testemunhou manifestações de rua - em grande parte articuladas pela internet mas posteriormente instrumentalizadas pela mídia corporativa -; revelações de nomes como Julian Assange e Edward Snowden que sugerem a ampla utilização de redes sociais para informar instituições dedicadas à espionagem e controle de informação em nível internacional; além das incessantes tentativas de controlar as liberdades fundamentais à internet como instrumento de comunicação humana.No mês passado, um post de Anahuac de Paula Gil [http://www.anahuac.eu/?p=335] levantou uma discussão importante a respeito do possível esvaziamento do movimento software livre brasileiro. Ao longo da última década e meia, o país alcançou destaque internacional decorrente do apoio institucional ao software livre e à cultura livre. O tempo mostrou que grande parte desse apoio era mera retórica ou oportunismo midiático, mas a comunidade de usuários e desenvolvedores tinha de fato potencial, entre outros motivos por conta de sua articulação com movimentos sociais cuja referência básica não era o mercado. Entretanto, as diversas camadas de ferramentas que facilitam ao máximo os relacionamentos, a publicação na web e o empreendedorismo tecnológico têm como consequência a neutralização desse potencial. À medida em que menos pessoas dedicam-se a aprender e dar forma a novas ferramentas de comunicação, e ao mesmo tempo surgem oportunidades rápidas de prestar serviços a um mercado em crescimento, é supostamente natural que haja menos desenvolvimento de tecnologias realmente transformadoras. Quando alguns dos nossos maiores talentos dedicam seu tempo a preencher espaços do mercado comercial, a sociedade tem muito a perder.Tudo isso aponta para a necessidade de repensar as bases nas quais se situam os projetos e programas de inclusão digital. Historicamente, essas iniciativas partiam de um princípio de compensação. Ou seja, entendiam que as novas tecnologias de informação oferecem oportunidades de inclusão, principalmente por conta da articulação de novas habilidades de comunicação pessoal com um tipo de sociabilidade que poderia subverter hierarquias. Mas essas oportunidades chegavam à sociedade de maneira desequilibrada. Os projetos de inclusão digital propunham-se, então, a oferecer infraestrutura tecnológica àquelas camadas da população que não tinham acesso a tal infraestrutura por seus próprios meios, de maneira a equilibrar a equação. Essa é uma visão que no mínimo deve ser interpretada como conservadora, porque vê a sociedade como estável em torno de construções determinadas - o trabalho, a escola, a comunidade local, a família - e no topo destas construções o digital surgiria como simples aspecto adicional. Ou seja, as pessoas precisariam adaptar-se às novas possibilidades criadas pelas tecnologias para continuarem ocupando o mesmo papel na sociedade. Seriam, assim, mais vítimas do que atores da revolução digital. Entretanto, um dos maiores potenciais da comunicação digital reside justamente na capacidade de engendrar arranjos sociais que escapam a estas configurações conservadoras. Não se trata mais de garantir a manutenção de determinado papel social, e sim de criar novos e inovadores papeis.Quando surgiram os telecentros, uma de suas características mais relevantes não era o fato de oferecerem mero acesso a computadores ou à internet, mas fundamentalmente sua capacidade de atrair cidadãos a utilizarem novos formatos de espaços públicos. Não somente como transeuntes - aqueles que circulam por um lugar -, mas como membros da sociedade que ocupavam aqueles espaços. E ocupavam espaços cuja função ainda não estava totalmente determinada. Ao contrário de outros espaços públicos - a escola, a biblioteca, a repartição, a praça -, a função objetiva do telecentro não estava clara. Era espaço de formação para o mercado, mas também era espaço de sociabilidade, de formação geral, de experimentação e aprendizado sobre artes. E essa indeterminação pode ter sido justamente o que fomentou o alto nível de inovação que estes espaços possibilitaram ao longo da última década.O fato de que mais e mais iniciativas de inclusão digital tenham aberto mão dos espaços compartilhados em favor de uma lógica - consumista e individualista, a meu ver - do acesso doméstico à internet parece ser mais um indício negativo das tendências atuais. Somando-se ao alerta feito por Anahuac e à rendição quase total às redes sociais corporativas, o quadro é bastante obscuro. Como fazer para escapar a essas armadilhas?O telecentro precisa ser repensado. Já passou-se quase uma década e meia desde que eles se estabeleceram como modelo [Ver http://blog.redelabs.org/blog/para-que-serve-um-telecentro]. Hoje em dia, pensar em laboratórios experimentais comunitários enquanto espaços em branco, espaços nos quais novas formas de sociabilidade podem emergir e se desenvolver, parece ser o mínimo. Hacklabs e Makerspaces sugerem novos caminhos, nos quais a apropriação crítica de tecnologias torna-se mais importante do que o mero acesso à rede. O importante é perceber que, se queremos espaços que proponham transformação social efetiva, não podemos nos contentar com uma lógica de ocupação de vagas, de estatísticas de atendimento ou mesmo de mero empreendedorismo comercial. Precisamos pensar nos futuros que queremos criar, e dedicar nosso tempo a criá-los. Voltar a pensar na importância de insistir no livre, no aberto e na cultura ao mesmo tempo questionadora e acolhedora que envolve esses adjetivos. Felipe Fonseca é coordenador do núcleo Ubalab [http://ubalab.org]. Foi um dos fundadores da rede MetaReciclagem [http://rede.metareciclagem.org]. Vive em Ubatuba/SP, onde organiza o Tropixel [http://tropixel.ubalab.org] e leciona na Escola Técnica Municipal Tancredo de Almeida Neves. Acabou de terminar sua dissertação de mestrado pelo Labjor/Unicamp, focada nos laboratórios experimentais em rede.
Categorias: Blogues

(2007)Bailux e Jurgen Boltz-metareciclagem e permaculura(20014)

Bailux - Arraial d´Ajuda - seg, 14/04/2014 - 10:02

Desde 2007 que o Bailux  promove a conexão entre tres pontos distintos: A metareciclagem,comunidade pataxó de aldeia velha e a permacultura com os encontros entre Jurgen Boltz e os nômades bailux.Neste ano de 2014 algo de muito positivo potencializa ações nesta mesma sintonia e estarei documentando estas diapóras (2007)Bailux e Jurgen Boltz-metareciclagem e permaculura(20014) na rede social https://diaspora.juntadados.org/activity

abs dos parentes

Categorias: Blogues

Sitio Itapeco-Bailux com Jurgen Boltz

Bailux - Arraial d´Ajuda - seg, 07/04/2014 - 19:36

Bailux no Itapeco-Primeiro passo:Construção de uma Maquete e a reforma e ampliação da cozinha-laboratório com a Bio_Arquiteta Lucia e o Artista Arizzo. http://www.flickr.com/photos/bailux2006
Categorias: Blogues

Ensaio Tropixel #1

Ubalab - sab, 05/04/2014 - 23:34

A primeira edição do Ensaio Tropixel começou hoje em Ubatuba. Na verdade, já estávamos trabalhando e preparando algumas coisas ao longo da semana passada. Os Ensaios Tropixel propõem-se a estender e aprofundar questões que surgiram durante a realização do Festival Tropixel, em outubro de 2013, além de começar a preparar o terreno para a próxima edição do Festival, que esperamos organizar no segundo semestre deste ano. Para esta primeira edição, aproximamos dois eixos: mapeamento comunitário e monitoramento ambiental. A ideia é articular o vocabulário das cartografias digitais com as diversas possibilidades que surgem do maior acesso a sensores digitais interconectados.

Quarta-feira, Guima-san chegou de São Paulo para oferecer uma oficina de hardware livre e sensores a alunos do Curso de Informática na Escola Técnica Municipal Tancredo Neves. O tempo foi curto, mas deu para ter alguma ideia das possibilidades. No dia seguinte, reunimos algumas pessoas de Ubatuba que trabalham com tecnologia e educação na Biblioteca Municipal, onde fica o antigo telecentro GESAC - e que se tudo der certo vai transformar-se no Espaço TEC de Ubatuba - para começar a testar um sensor de Oxigênio Dissolvido e fazer as primeiras experiências no sentido de construir sensores de qualidade de água para os rios de Ubatuba. Guima dedicou algum tempo a ajustar o sistema e encontrar maneiras de registrar os dados gerados. É necessário acrescentar que temos consciência de que o Oxigênio Dissolvido é somente uma entre diversas mensurações possíveis para verificar a qualidade de água. É um dado que varia a partir de diversas condições, e portanto não é uma medida definitiva. Mas na proposta de primeiro passo em um laboratório que dedique tempo, recursos e talento a esse tipo de desenvolvimento, parece-nos um começo apropriado. No momento, não estamos buscando um índice objetivo, e sim a possibilidade de comparar diferentes pontos do rio e/ou diferentes momentos da água que corre por ele.

Hoje à tarde, como dizia, começamos com a programação mais intensiva. Esta edição do Ensaio Tropixel é uma parceria com o Labmovel, coordenado por Lucas Bambozzi e Gisela Domschke. A convite do Labmovel, o artista Fernando Velázquez veio a Ubatuba trazendo um drone Phantom 2. A partir de conversas que aconteceram durante o Festival Tropixel, voltamos a atenção da oficina ao Rio Acaraú, que vem desde o pé da serra, Sesmaria e Estufa II, depois atravessa a Rio-Santos e corta o Itaguá até chegar ao mar. A ideia hoje era juntarmos uma reflexão com referência na cartografia - voltar os olhos para o chão, as curvas do rio e as maneiras de chegar até ele - com a possibilidade de gerar dados a partir de um protótipo de sensor.

Reunimos os participantes no Tancredo para uma primeira conversa, e depois fomos em busca do rio. Alguns participantes carregavam smartphones com aplicativos de rastreamento via GPS, com a missão de registrar os trajetos com imagens e anotações. Paramos primeiramente no ponto onde o rio passa por debaixo da Rio-Santos, perto do trevo da Praia Grande. Fizemos ali algumas medições com o sensor e imagens aéreas com o drone. Em seguida, paramos em um ponto entre Itaguá e Tenório que tem outro acesso ao rio. Por fim, paramos na foz do Acaraú no canto direito do Itaguá, ao lado do morro.

Encerramos o dia com trilhas de GPS, dados de testes de oxigênio dissolvido na água e imagens aéreas. Amanhã, domingo, das 10h às 13h, vamos novamente nos reunir para agregar estes dados e pensar em como dar sentido a eles. O encontro está marcado para o Terminal Marítimo Comodoro Magalhães, no canto direito do Itaguá (pouco depois da Capitão Felipe). A programação é aberta a todos os interessados.

Acompanhe também:

A primeira edição do Ensaio Tropixel começou hoje em Ubatuba. Na verdade, já estávamos trabalhando e preparando algumas coisas ao longo da semana passada. Os Ensaios Tropixel propõem-se a estender e aprofundar questões que surgiram durante a realização do Festival Tropixel, em outubro de 2013, além de começar a preparar o terreno para a próxima edição do Festival, que esperamos organizar no segundo semestre deste ano. Para esta primeira edição, aproximamos dois eixos: mapeamento comunitário e monitoramento ambiental. A ideia é articular o vocabulário das cartografias digitais com as diversas possibilidades que surgem do maior acesso a sensores digitais interconectados.Quarta-feira, Guima-san chegou de São Paulo para oferecer uma oficina de hardware livre e sensores a alunos do Curso de Informática na Escola Técnica Municipal Tancredo Neves. O tempo foi curto, mas deu para ter alguma ideia das possibilidades. No dia seguinte, reunimos algumas pessoas de Ubatuba que trabalham com tecnologia e educação na Biblioteca Municipal, onde fica o antigo telecentro GESAC - e que se tudo der certo vai transformar-se no Espaço TEC de Ubatuba - para começar a testar um sensor de Oxigênio Dissolvido e fazer as primeiras experiências no sentido de construir sensores de qualidade de água para os rios de Ubatuba. Guima dedicou algum tempo a ajustar o sistema e encontrar maneiras de registrar os dados gerados. É necessário acrescentar que temos consciência de que o Oxigênio Dissolvido é somente uma entre diversas mensurações possíveis para verificar a qualidade de água. É um dado que varia a partir de diversas condições, e portanto não é uma medida definitiva. Mas na proposta de primeiro passo em um laboratório que dedique tempo, recursos e talento a esse tipo de desenvolvimento, parece-nos um começo apropriado. No momento, não estamos buscando um índice objetivo, e sim a possibilidade de comparar diferentes pontos do rio e/ou diferentes momentos da água que corre por ele.Hoje à tarde, como dizia, começamos com a programação mais intensiva. Esta edição do Ensaio Tropixel é uma parceria com o Labmovel, coordenado por Lucas Bambozzi e Gisela Domschke. A convite do Labmovel, o artista Fernando Velázquez veio a Ubatuba trazendo um drone Phantom 2. A partir de conversas que aconteceram durante o Festival Tropixel, voltamos a atenção da oficina ao Rio Acaraú, que vem desde o pé da serra, Sesmaria e Estufa II, depois atravessa a Rio-Santos e corta o Itaguá até chegar ao mar. A ideia hoje era juntarmos uma reflexão com referência na cartografia - voltar os olhos para o chão, as curvas do rio e as maneiras de chegar até ele - com a possibilidade de gerar dados a partir de um protótipo de sensor.Reunimos os participantes no Tancredo para uma primeira conversa, e depois fomos em busca do rio. Alguns participantes carregavam smartphones com aplicativos de rastreamento via GPS, com a missão de registrar os trajetos com imagens e anotações. Paramos primeiramente no ponto onde o rio passa por debaixo da Rio-Santos, perto do trevo da Praia Grande. Fizemos ali algumas medições com o sensor e imagens aéreas com o drone. Em seguida, paramos em um ponto entre Itaguá e Tenório que tem outro acesso ao rio. Por fim, paramos na foz do Acaraú no canto direito do Itaguá, ao lado do morro.Encerramos o dia com trilhas de GPS, dados de testes de oxigênio dissolvido na água e imagens aéreas. Amanhã, domingo, das 10h às 13h, vamos novamente nos reunir para agregar estes dados e pensar em como dar sentido a eles. O encontro está marcado para o Terminal Marítimo Comodoro Magalhães, no canto direito do Itaguá (pouco depois da Capitão Felipe). A programação é aberta a todos os interessados.Acompanhe também: Imagens no Flickr #tropixel no Twitter Trajeto percorrido hoje (KMZ) Mapa com informações levantadas (em construção)
Categorias: Blogues

SIMAP-LN

Ubalab - sex, 21/03/2014 - 16:46

Deu no Litoral Sustentável:

Um sistema online desenvolvido no Centro de Inovação, Empreendedorismo e Tecnologia (Cietec), instituição ligada à USP, irá produzir um banco de dados georreferenciados sobre os aspectos ambientais do Litoral Norte do Estado de São Paulo. Criado pela empresa SALT Ambiental, incubada no Cietec, o Sistema Integrado de Monitoramento Ambiental Participativo do Litoral Norte (SIMAP-LN) permite que qualquer pessoa com acesso a internet tenha acesso aos dados disponíveis e se cadastre para contribuir com novas observações. O SIMAP-LN reúne informações sobre praias, pontos de mergulho, avistamento de animais marinhos e crimes ambientais ocorridos na região.

O site está disponível aqui. Por enquanto tem pouca informação, mas pelo que entendi eles esperam receber contribuições de forma colaborativa. Também não vi nenhuma informação técnica: não entendi se o sistema está baseado em alguma tecnologia que já existia, se faz uso de tecnologias livres ou se está integrado a outras iniciativas. Nem de que forma se prevê sua sustentação futura. É uma iniciativa interessante, mas espero que não seja mais um daqueles projetos feitos por instituições que não estão enraizadas no cenário local e que depois de algum tempo simplesmente desaparecem.

Deu no Litoral Sustentável: Um sistema online desenvolvido no Centro de Inovação, Empreendedorismo e Tecnologia (Cietec), instituição ligada à USP, irá produzir um banco de dados georreferenciados sobre os aspectos ambientais do Litoral Norte do Estado de São Paulo. Criado pela empresa SALT Ambiental, incubada no Cietec, o Sistema Integrado de Monitoramento Ambiental Participativo do Litoral Norte (SIMAP-LN) permite que qualquer pessoa com acesso a internet tenha acesso aos dados disponíveis e se cadastre para contribuir com novas observações. O SIMAP-LN reúne informações sobre praias, pontos de mergulho, avistamento de animais marinhos e crimes ambientais ocorridos na região.O site está disponível aqui. Por enquanto tem pouca informação, mas pelo que entendi eles esperam receber contribuições de forma colaborativa. Também não vi nenhuma informação técnica: não entendi se o sistema está baseado em alguma tecnologia que já existia, se faz uso de tecnologias livres ou se está integrado a outras iniciativas. Nem de que forma se prevê sua sustentação futura. É uma iniciativa interessante, mas espero que não seja mais um daqueles projetos feitos por instituições que não estão enraizadas no cenário local e que depois de algum tempo simplesmente desaparecem.
Categorias: Blogues

Anonymus hacklab

Bailux - Arraial d´Ajuda - qua, 19/03/2014 - 14:40
Samuel Ende é daqueles Hackers Old School,descobri por acaso aqui no Arraial seu hacklb mantido como uma caverna de experimentos eletrônicos na mais genuína filosofia da gambiarra.Com autorização dele compartilho algumas fotos.

Categorias: Blogues

desvios e retornos

Bailux - Arraial d´Ajuda - sex, 14/03/2014 - 14:27
O “Retorno” depois de dois meses como orientador social  em uma comunidade em extrema pobreza e vulnerável a violência,desenvolvi encontros de convivẽncia e fortalecimentos de vínculos com crianças e adolescentes de 11 a 14 anos como parte de uma política pública implantada pelos CRAS(centro de referencia da assistência social)
Categorias: Blogues

<div class="separator" style="clear:

Vem do lixo - Naná Hayne - sex, 14/03/2014 - 13:01
Exposição: Naná HayneA artista propõe à partir da observação histórica sobre as Artes, suas linguagens, técnicas e objetivos, uma viagem sintética dos artistas através dos tempos: a disposição do ser humano em marcar sua presença, através de representações pictóricas, tanto planas quanto tridimensionais.Em seu trabalho, Naná Hayne apresenta peças sucateadas geradas a partir de nossa sociedade de consumo altamente descartável. Assim, um vôo espetacular do ser humano é descrito de forma admirável e leve e nos convida a refletir sobre vários assuntos, desde a nossa capacidade negativa de esgotar o meio ambiente quanto a nossa capacidade positiva de reutilizar criativamente os descartes gerados pelo nosso consumo irresponsável.
Categorias: Blogues

Cursos Pronatec em Ubatuba

Ubalab - qua, 12/03/2014 - 16:32

Repassando comunicado da Prefeitura:

Pronatec abre inscrições para cursos gratuitos em Ubatuba
Objetivo do programa é ampliar oferta de cursos de educação profissional e tecnológica
As inscrições para cursos gratuitos de formação profissional oferecidos pelo Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) em Ubatuba encontram-se abertas.
Podem se inscrever trabalhadores, inclusive agricultores familiares, silvicultores, aquicultores, extrativistas e pescadores; povos indígenas, comunidades quilombolas e outras comunidades tradicionais; pessoas com deficiência; pessoas que recebem benefícios dos programas federais de transferência de renda; estudantes matriculados no ensino médio em escolas públicas, inclusive na Educação de Jovens e Adultos (EJA); e adolescentes e jovens em cumprimento de medidas socioeducativas.
Confira no fim da matéria os detalhes sobre cada curso e sobre como fazer a inscrição.
Pronatec
O Pronatec foi criado pelo em 2011 com o objetivo de ampliar a oferta de cursos de educação profissional e tecnológica. Segundo o Ministério da Educação, desde a criação, o programa atendeu a 2,5 milhões de brasileiros.
Até 2014, a meta é oferecer cursos técnicos e de formação inicial e continuada a 8 milhões de estudantes e trabalhadores. Em Ubatuba, são 30 vagas oferecidas em cada módulo.
Os cursos são gratuitos, ministrados pela equipe do Instituto Técnico Federal em diversas áreas tecnológicas: ambiente e saúde, produção cultural e design, gestão e negócios, informação e comunicação entre outras. O material didático também é gratuito e é fornecida ajuda estudantil. Conheça mais sobre o Pronatec: http://pronatec.mec.gov.br/
Inscrições
Os interessados devem dirigir-se à unidade demandante para fazer a pré-inscrição até o dia 19 de março. As vagas são preenchidas respeitando o público prioritário (descrito acima), os pré-requisitos de cada curso e a ordem de chegada dos interessados.

É obrigatória a apresentação dos seguintes documentos:
• RG original e cópia simples (não pode ser carteira de motorista);
• CPF original e cópia simples (caso o número conste no RG não é necessário apresentá-lo);
• Comprovante de escolaridade – certificado de conclusão de curso, histórico escolar ou declaração de escolaridade original e cópia simples, conforme pré-requisito do curso;
• Comprovante de conta bancária no nome do candidato.

Confira abaixo os cursos oferecidos em Ubatuba:
Os cursos têm início em 7 de abril, com aulas teóricas e práticas às segundas, terças e quartas-feiras, das 18:30 horas às 22:30 horas.

EIXO TECNOLÓGICO: Gestão e Negócios / Auxiliar de Recursos Humanos
Executa rotinas de processos administrativos do setor de Recursos Humanos de uma empresa. Realiza atividades de apoio ao planejamento, execução, avaliação e controle dos processos de recrutamento e seleção, treinamento e desenvolvimento, avaliação de desenvolvimento, avaliação de desempenho, progressão funcional, cargos, salários e benefícios.
Escolaridade: Ensino Médio Incompleto.
Demandante: Secretaria Municipal de Cidadania e Desenvolvimento Social Rua Paraná, 374 – Centro. Tel.: (12) 3834-3516

EIXO TECNOLÓGICO: Ambiente e Saúde / Cuidador de Idosos
Cuida da higiene, conforto e alimentação do idoso, observando possíveis alterações no estado geral. Zela pela integridade física do idoso, presta primeiros socorros e promove atividades de entretenimento.
Escolaridade: Ensino Fundamental Completo.
Demandante: Secretaria Municipal de Cidadania e Desenvolvimento Social Rua Paraná, 374 – Centro. Tel.: (12) 3834-3516

EIXO TECNOLÓGICO: Produção Cultural e Design / Operador de Áudio
Realiza edições e mixagem de áudio, utilizando softwares e equipamentos digitais e analógicos, para atender a diferentes tipos de eventos, tais como teatro, cinema, publicidade, televisão, danças, festas populares, ou eventos correlatos, de acordo com as exigências estéticas, culturais e históricas do projeto.
Escolaridade: Ensino Médio Completo.
Demandante: Fundação de Arte e Cultura de Ubatuba – FUNDART
Praça Nóbrega, 54 - Centro. Tel.: (12) 3833-7000 l 3833-7001

Repassando comunicado da Prefeitura: Pronatec abre inscri&ccedil;&otilde;es para cursos gratuitos em Ubatuba Objetivo do programa &eacute; ampliar oferta de cursos de educa&ccedil;&atilde;o profissional e tecnol&oacute;gica As inscri&ccedil;&otilde;es para cursos gratuitos de forma&ccedil;&atilde;o profissional oferecidos pelo Programa Nacional de Acesso ao Ensino T&eacute;cnico e Emprego (Pronatec) em Ubatuba encontram-se abertas. Podem se inscrever trabalhadores, inclusive agricultores familiares, silvicultores, aquicultores, extrativistas e pescadores; povos ind&iacute;genas, comunidades quilombolas e outras comunidades tradicionais; pessoas com defici&ecirc;ncia; pessoas que recebem benef&iacute;cios dos programas federais de transfer&ecirc;ncia de renda; estudantes matriculados no ensino m&eacute;dio em escolas p&uacute;blicas, inclusive na Educa&ccedil;&atilde;o de Jovens e Adultos (EJA); e adolescentes e jovens em cumprimento de medidas socioeducativas. Confira no fim da mat&eacute;ria os detalhes sobre cada curso e sobre como fazer a inscri&ccedil;&atilde;o. Pronatec O Pronatec foi criado pelo em 2011 com o objetivo de ampliar a oferta de cursos de educa&ccedil;&atilde;o profissional e tecnol&oacute;gica. Segundo o Minist&eacute;rio da Educa&ccedil;&atilde;o, desde a cria&ccedil;&atilde;o, o programa atendeu a 2,5 milh&otilde;es de brasileiros. At&eacute; 2014, a meta &eacute; oferecer cursos t&eacute;cnicos e de forma&ccedil;&atilde;o inicial e continuada a 8 milh&otilde;es de estudantes e trabalhadores. Em Ubatuba, s&atilde;o 30 vagas oferecidas em cada m&oacute;dulo. Os cursos s&atilde;o gratuitos, ministrados pela equipe do Instituto T&eacute;cnico Federal em diversas &aacute;reas tecnol&oacute;gicas: ambiente e sa&uacute;de, produ&ccedil;&atilde;o cultural e design, gest&atilde;o e neg&oacute;cios, informa&ccedil;&atilde;o e comunica&ccedil;&atilde;o entre outras. O material did&aacute;tico tamb&eacute;m &eacute; gratuito e &eacute; fornecida ajuda estudantil. Conhe&ccedil;a mais sobre o Pronatec: http://pronatec.mec.gov.br/ Inscri&ccedil;&otilde;es Os interessados devem dirigir-se &agrave; unidade demandante para fazer a pr&eacute;-inscri&ccedil;&atilde;o at&eacute; o dia 19 de mar&ccedil;o. As vagas s&atilde;o preenchidas respeitando o p&uacute;blico priorit&aacute;rio (descrito acima), os pr&eacute;-requisitos de cada curso e a ordem de chegada dos interessados. &Eacute; obrigat&oacute;ria a apresenta&ccedil;&atilde;o dos seguintes documentos: &bull; RG original e c&oacute;pia simples (n&atilde;o pode ser carteira de motorista); &bull; CPF original e c&oacute;pia simples (caso o n&uacute;mero conste no RG n&atilde;o &eacute; necess&aacute;rio apresent&aacute;-lo); &bull; Comprovante de escolaridade &ndash; certificado de conclus&atilde;o de curso, hist&oacute;rico escolar ou declara&ccedil;&atilde;o de escolaridade original e c&oacute;pia simples, conforme pr&eacute;-requisito do curso; &bull; Comprovante de conta banc&aacute;ria no nome do candidato. Confira abaixo os cursos oferecidos em Ubatuba: Os cursos t&ecirc;m in&iacute;cio em 7 de abril, com aulas te&oacute;ricas e pr&aacute;ticas &agrave;s segundas, ter&ccedil;as e quartas-feiras, das 18:30 horas &agrave;s 22:30 horas. EIXO TECNOL&Oacute;GICO: Gest&atilde;o e Neg&oacute;cios / Auxiliar de Recursos Humanos Executa rotinas de processos administrativos do setor de Recursos Humanos de uma empresa. Realiza atividades de apoio ao planejamento, execu&ccedil;&atilde;o, avalia&ccedil;&atilde;o e controle dos processos de recrutamento e sele&ccedil;&atilde;o, treinamento e desenvolvimento, avalia&ccedil;&atilde;o de desenvolvimento, avalia&ccedil;&atilde;o de desempenho, progress&atilde;o funcional, cargos, sal&aacute;rios e benef&iacute;cios. Escolaridade: Ensino M&eacute;dio Incompleto. Demandante: Secretaria Municipal de Cidadania e Desenvolvimento Social Rua Paran&aacute;, 374 &ndash; Centro. Tel.: (12) 3834-3516 EIXO TECNOL&Oacute;GICO: Ambiente e Sa&uacute;de / Cuidador de Idosos Cuida da higiene, conforto e alimenta&ccedil;&atilde;o do idoso, observando poss&iacute;veis altera&ccedil;&otilde;es no estado geral. Zela pela integridade f&iacute;sica do idoso, presta primeiros socorros e promove atividades de entretenimento. Escolaridade: Ensino Fundamental Completo. Demandante: Secretaria Municipal de Cidadania e Desenvolvimento Social Rua Paran&aacute;, 374 &ndash; Centro. Tel.: (12) 3834-3516 EIXO TECNOL&Oacute;GICO: Produ&ccedil;&atilde;o Cultural e Design / Operador de &Aacute;udio Realiza edi&ccedil;&otilde;es e mixagem de &aacute;udio, utilizando softwares e equipamentos digitais e anal&oacute;gicos, para atender a diferentes tipos de eventos, tais como teatro, cinema, publicidade, televis&atilde;o, dan&ccedil;as, festas populares, ou eventos correlatos, de acordo com as exig&ecirc;ncias est&eacute;ticas, culturais e hist&oacute;ricas do projeto. Escolaridade: Ensino M&eacute;dio Completo. Demandante: Funda&ccedil;&atilde;o de Arte e Cultura de Ubatuba &ndash; FUNDART Pra&ccedil;a N&oacute;brega, 54 - Centro. Tel.: (12) 3833-7000 l 3833-7001
Categorias: Blogues

Ensaio Tropixel

Ubalab - ter, 11/03/2014 - 22:43
Categorias: Blogues

Oficina Mapas Digitais: Cartografia Colaborativa

Ubalab - ter, 11/03/2014 - 21:32

Coordenação: Felipe Fonseca
29/3 - sábado - 10h às 17h (pausa de 1h para almoço)
Público: interessados na técnica da cartografia para fins culturais
Inscrições: 7/1 a 21/3
Seleção: primeiros inscritos
25 vagas
Local: Rua Coronel Domingues de Castro, 33 – Centro

São Luiz do Paraitinga

Em tempos recentes, uma série de novas tecnologias digitais vem possibilitando a utilização de informações geográficas para repensar o lugar do indivíduo e da comunidade no mundo. Esta oficina promoverá reflexões sobre o papel dos mapas digitais na sociedade contemporânea, expondo usos criativos da cartografia como elemento de identidade e engajamento social.

Felipe Fonseca é mestrando em Divulgação Cientifica e Cultural (Labjor-Unicamp), pesquisador, curador, escritor e articulador de projetos de apropriação crítica de tecnologias digitais, laboratórios de mídia, arte eletrônica, cultura digital experimental e colaboração em rede. É cofundador da rede MetaReciclagem (2002), do coletivo Desvio (2009), do blog Lixo Eletrônico (2008), da plataforma Rede//Labs (2010) e de diversas outras iniciativas, como o núcleo Ubalab, o coletivo editorial MutGamb e a rede Bricolabs.

Coordena&ccedil;&atilde;o: Felipe Fonseca 29/3 - s&aacute;bado&nbsp;-&nbsp;10h &agrave;s 17h (pausa de 1h para almo&ccedil;o) P&uacute;blico: interessados na t&eacute;cnica da cartografia para fins culturais Inscri&ccedil;&otilde;es: 7/1 a 21/3 Sele&ccedil;&atilde;o: primeiros inscritos 25 vagas Local: Rua Coronel Domingues de Castro, 33 &ndash; CentroS&atilde;o Luiz do ParaitingaEm tempos recentes, uma s&eacute;rie de novas tecnologias digitais vem possibilitando a utiliza&ccedil;&atilde;o de informa&ccedil;&otilde;es geogr&aacute;ficas para repensar o lugar do indiv&iacute;duo e da comunidade no mundo. Esta oficina promover&aacute; reflex&otilde;es sobre o papel dos mapas digitais na sociedade contempor&acirc;nea, expondo usos criativos da cartografia como elemento de identidade e engajamento social.Felipe Fonseca &eacute; mestrando em Divulga&ccedil;&atilde;o Cientifica e Cultural (Labjor-Unicamp), pesquisador, curador, escritor e articulador de projetos de apropria&ccedil;&atilde;o cr&iacute;tica de tecnologias digitais, laborat&oacute;rios de m&iacute;dia, arte eletr&ocirc;nica, cultura digital experimental e colabora&ccedil;&atilde;o em rede. &Eacute; cofundador da rede MetaReciclagem (2002), do coletivo Desvio (2009), do blog Lixo Eletr&ocirc;nico (2008), da plataforma Rede//Labs (2010) e de diversas outras iniciativas, como o n&uacute;cleo Ubalab, o coletivo editorial MutGamb e a rede Bricolabs.
Categorias: Blogues

Microscópio de papel em 10 minutos

Ubalab - ter, 11/03/2014 - 20:47

Descontando toda a empolgação de mercado e o cansativo formatinho TED, é interessante essa iniciativa do bioengenheiro de Stanford Manu Prakash (com seus alunos): um microscópio de papel, montado como origami, que custa potencialmente 50 centavos de dólar.

Descontando toda a empolga&ccedil;&atilde;o de mercado e o cansativo formatinho TED, &eacute; interessante essa iniciativa do bioengenheiro de Stanford Manu Prakash (com seus alunos): um microsc&oacute;pio de papel, montado como origami, que custa potencialmente 50 centavos de d&oacute;lar.
Categorias: Blogues

Como converter ateus

Liquuid - seg, 10/03/2014 - 15:16

Achei demais, esse cara sintetiza um pouco do viés religioso da minha vida, sofri preconceitos por não ser da religião “certa” durante toda minha vida, atualmente meus pais estão isolados de parte da familia por uma tentativa infantil/imbecil de força-los a ingressar em “na religião”. Sim… 2014 galera, desde 1980 essa merda !

Acho que a primeira vez que fui cobrado pelos primos pra ir até o altar(?) pra me converter eu tinha uns 8 anos, uma mini-bíblia foi o primeiro (e talvez o único) livro que ganhei dos meus tios, até onde me lembro, e acredito que foi o único presente que ganhei que não foi em uma troca de amigo secreto…. Teve uns presentes que vieram anteriormente, umas roupas que ganhei daquela loja Pelicano (tipo loja de 1,99 mas de roupa), que quando vc lava ela esfarela, tá ligado ? Não foram presentes, foram provocações.

Eu fico pensando se a distancia começou aumentar conforme eu fui crescendo e fui me negando a ir até o altar(?) pra me converter… os laços foram ficando cada vez mais fracos, os relacionamentos cada vez mais estranhos…

Quando voltei da índia de onde eu esperava voltar mais espiritualizado do que nunca, não consegui mais ficar passivo sobre o tema … lá eu tive contato com um numero gigantesco de religiões, religiões novas com 150 anos, religiões com 6 mil anos e todas elas muito parecidas, algumas monoteistas, outras politeistas, tinha uma delas que era uma especie de metareligião.

Em quase todas elas também tinham uma pitada de opressão e violencia contra as mulheres, outras diziam que era ok escravizar pessoas de pele escura, outras que era ok tratar pessoas de castas diferentes como animais bla bla bla É tipo pegar o antigo testamento e modificar lugares, culturas e geografia, mas ta tudo lá.

E o resultado dessa desumanização misturada com indiferença foi a extrema miséria que vi por lá, gente bem de vida pulando miseraveis e evitando contato olho a olho pra não se “contaminar” com o karma ruim dos sujeitos. Apesar de tudo era um lugar tranquilo, já que estão todos sob vigilância de seus pares, ser expulso de uma religião lá é coisa séria, pode levar a morte ou ao diploma universitário.

Acho que à partir do momento que pisei em solo brasileiro e comecei a ligar os pontos, já era …. não tinha mais volta. Voltei com tanta coisa na cabeça que não dava mais pra simplesmente aceitar o que tava na minha frente sem questionar.

E como sabemos, se quer arrumar confusão basta assumir uma posição política ou filosófica … se começar a questionar o establishment então ? vixi

O simples fato de questionar é ofensivo, é visto como rebelião é coisa do capeta, uma vez alguém me falou que o excesso de conhecimento e dúvidas são rota direta pro inferno, eu não duvido… minha vida seria mais simples se eu fosse mais burro do que sou.

Sou casado com uma pessoa extremamente religiosa e questionadora, e vou dar aos meus filhos a mesma oportunidade que tive, de poder fazer suas escolhas com liberdade com direito a mudar de idéia free of charges. Mesmo que isso provoque a ira dos parentes e dos coitados.

Categorias: Blogues

Ubatuba Conectada e Criativa

Ubalab - sex, 07/03/2014 - 16:40

Em breve...

Em breve...
Categorias: Blogues

Litoral Sustentável - Turismo de Base Comunitária

Ubalab - ter, 18/02/2014 - 16:01

Litoral Sustentável - Turismo de Base Comunitária. from Pedro Bayeux on Vimeo.

"... A partir da discussão de como agregar valor social e cultural aos programas turísticos tradicionais e também para fomentar o turismo com base comunitária, através da formação de redes, de modo que as comunidades, como indígenas, quilombolas ou caiçaras, protagonizem a oferta de produtos turísticos..."

Concepção: Felipe Fonseca, Maira Begalli, Pedro Bayeux.
Direção, edição, cinegrafista: Pedro Bayeux.
Cinegrafistas: Marco Estrella, Erik Nagamine.
Som: Ladislau Kardos, Erik Nagamine.
Trilha original: Renato Cortez.

Litoral Sustent&aacute;vel - Turismo de Base Comunit&aacute;ria. from Pedro Bayeux on Vimeo. &quot;... A partir da discuss&atilde;o de como agregar valor social e cultural aos programas tur&iacute;sticos tradicionais e tamb&eacute;m para fomentar o turismo com base comunit&aacute;ria, atrav&eacute;s da forma&ccedil;&atilde;o de redes, de modo que as comunidades, como ind&iacute;genas, quilombolas ou cai&ccedil;aras, protagonizem a oferta de produtos tur&iacute;sticos...&quot;Concep&ccedil;&atilde;o: Felipe Fonseca, Maira Begalli, Pedro Bayeux. Dire&ccedil;&atilde;o, edi&ccedil;&atilde;o, cinegrafista: Pedro Bayeux. Cinegrafistas: Marco Estrella, Erik Nagamine. Som: Ladislau Kardos, Erik Nagamine. Trilha original: Renato Cortez.
Categorias: Blogues

das varanda aos quintais

Bailux - Arraial d´Ajuda - sex, 14/02/2014 - 20:30

Comunidade de Aldeia Velha se conecta através de encontros culturais nas varandas  e aos poucos vão descobrindo seus jardins de ervas e suas redes de quintais.
Categorias: Blogues

O ano do linux chegou, e agora ?

Liquuid - ter, 11/02/2014 - 12:10

O Anahuac soltou um texto no Br-Linux sobre o estado das comunidades linux no Brasil, seguem as minhas opiniões sobre o assunto.

Eu não concordo com tudo que o Anahuac escreveu, mas entendo um pouco dessa amargura que ele tá sentido. Em 200x quando eu conheci o Anahuac por meio de listas de discussão, o ano do linux era o ano corrente + 1, várias empresas se estruturaram em torno das migrações de windows para linux, tinha a Conectiva empregando um monte de gente que desenvolvia software livre no Brasil, tinha um lobby forte pra fazer os governos usarem software livre, hordas de estudantes se envolvendo com traduções.

A gente usava jabber como im, email bacana era o do pessoal do riseup, tinha pouco espaço mas tinha 4 níveis de criptografia no disco. O grande desafio era montar um setup de desktop com o mínimo de drivers proprietários possivel, tinha sites listando softwares alternativos livres, o legal era xingar o KDE pq o QT era livre mas não era GPL. Conheci gente que preferia não usar o Wifi do que instalar driver proprietário ou usar o ndiswrapper com driver do windows… Pessoal se juntava de fim de semana pra fazer uma distro linux bootavel com interface gráfica caber em um disquete de 1.4 Mb só por diversão, o gentoo era uma distro que permitia compilar o sistema inteiro escolhendo a dedo as dependências usadas, era possível escolher a implementação da libPNG desejada por exemplo. Liberdade total pra tunar o SO.

Era tudo muito legal, a própria flexibilidade do software livre permitiu a evolução de modelos de negócio, dos serviços de internet e da própria internet. Com o surgimento dos webApps, compartilhar o código deixou de ser requisito, a liberdade também, o caso mais emblemático foi o Gmail, ele surgiu em uma era onde administrar emails era um pepino, servidor e espaço em disco eram caros. Ele seduziu muita gente oferecendo 1Gb de espaço… naquela época eu tinha um HD de 14.3Gb… Em troca o google só queria a autorização para ler os emails e gerar propaganda direcionada. Muita gente olhou torto, mas a interface era bonita, clean e tinha muito espaço.

Um outro gargalo na adoção do linux era a suite Office, o Star/Open/Br/LibreOffice demorou um tempão pra chegar no nível do MS Office, e quando chegou as pessoas perceberam que era mais cômodo usar uma suite Office on-line, mesmo que com recursos limitados. Ninguém mais se importava em deixar sua planilha de gastos pessoais ou teses acadêmicas em serviços on-line, todos concordam em autorizar o provedor do serviço a vasculhar os documentos para gerar métricas.

As pessoas mudaram, aquela neura com privacidade se foi, pra quase todo mundo é ok trocar a privacidade dos dados por comodidade, bater uma foto e ela aparecer magicamente em um repositório on-line e de graça putz, é ou não é um sonho ?

Então com os devices móveis, todos concordam em deixar aberto seus logs de movimentação, fazendo checkins públicos em estabelecimentos comerciais, ensinando ao provedor do serviço os hábitos de consumo de quem usa o serviço, em troca o usuário sabe onde outros usuários estão indo.

Então fomos invadidos por APIs, os sites deixaram de ser meros portais de informação e se tornaram provedores de serviços e troca de dados, aplicativos desktop foram gradativamente substituídos com vantagens por soluções superiores hospedados em servidores sabe-se lá onde.

Enquanto isso, as listas de discussão foram esvaziando, as comunidades deixaram de crescer …

Em 2002 colaborei com um grupo de entusiastas para apresentar o linux para os bixos de Física na USP, foram palestras e mini-cursos, acho que 80% da turma que participou usa linux até hoje em suas pesquisas de pós-graduação e em seus empregos. Sondei a criação de um grupo de estudos de software livre em 2013 com os bixos de Sistemas de informação na USP Leste e a aceitação foi muito ruim, disseram que trabalhariam com o que pagasse mais, e que não queriam se envolver com discussões políticas, teve um que falou que parecia coisa de comunista, outro falou que não trabalha de graça.

99% dos softwares que o cara usa no dia a dia são software livre, mas pensar em contribuir com a comunidade é quase uma ofensa. Me senti um xiita pregando pra quem não quer ouvir.

Hoje em dia o Stallman é taxado como gordo barbudo excêntrico, ninguém leva nada do que ele diz a sério, provavelmente o garoto que fez o joguinho dos passarinho e desistiu de distribuir por causa da “pressão” seja mais exemplo a ser seguido do que o cara que criou as bases pra industria de TI que temos hoje.

Vejo num futuro próximo o fim da computação pessoal, tudo vai rodar em servidores de empresas e o que teremos em nossos escritórios serão apenas terminais burros.

Categorias: Blogues
Conteúdo sindicalizado